terça-feira, dezembro 30, 2014



Maçonaria – Moral e Dogma

Publicado na  em Tempo de Estudos 15 de Junho de 2010
A Maçonaria possui em sua filosofia um ensinamento que pode ser expresso num simples ditame: “Proteja os oprimidos dos opressores; e dedique-se à honra e aos interesses de seu País”.
Maçonaria não é especulativa nem teórica, mas experimental, não sentimental, mas prática. Ela requer renúncia e autocontrole. Ela apresenta uma face severa aos vícios do homem e interfere em muitos de nossos objetivos e prazeres. Penetra além da região do pensamento vago; além das regiões em que moralizadores e filósofos teceram suas belas teorias e elaboraram suas esplêndidas máximas, alcançando as profundezas do coração, repreendendo-nos por nossa mesquinhez, acusando-nos de nossos preconceitos e paixões e guerreando contra nossos vícios.
É uma luta contra paixões que brotam do seio dos mais puros sentimentos, um mundo onde preconceitos admiráveis contrastam com práticas viciosas, de bons ditados e más ações; onde paixões abjetas não são apenas refreadas pelos costumes e pelos cerimoniais, mas se escondem por trás de um véu de bonitos sentimentos. Esse solecismo tem existido por todas as épocas. O sentimentalismo católico tem muitas vezes acobertado a infidelidade e o vício. A retidão dos protestantes apregoa, frequentemente, a espiritualidade e a fé, mas negligencia a verdade simples, a candura e a generosidade; e a sofisticação do racionalismo ultraliberal em muitas ocasiões conduz ao céu em seus sonhos, mas chafurda na lama de suas ações.
Por mais que exista um mundo de sentimentos maçônicos, ainda assim ele pode ser um mundo onde ela está ausente. Ainda que haja um sentimento vago de caridade maçônica, generosidade e desprendimento, falta a prática ativa da virtude, da bondade, do altruísmo e da liberalidade. A Maçonaria assemelha-se aí às luzes frias, embora brilhantes.
Há clarões ocasionais de sentimentos generosos e viris, um esplendor fugaz de pensamentos nobres e elevados, que iluminam a imaginação de alguns. Mas não há o calor vital em seus corações.
Boa parte dos homens tem sentimentos, mas não princípios. Os sentimentos são sensações temporárias, enquanto os princípios são como virtudes permanentemente impressas na alma para seu controle. Os sentimentos são vagos e involuntários; não ascendem ao nível da virtude. Todos os têm. Mas os princípios são regras de conduta que moldam e controlam nossas ações. Pois é justamente neles que a Maçonaria insiste.
Nós aprovamos o que é certo, mas geralmente fazemos o que é errado; essa é a velha história das deficiências humanas. Ninguém encoraja e aplaude injustiça, fraude, opressão, ambição, vingança, inveja ou calúnia; ainda assim, quantos dos que condenam essas atitudes são culpados delas, eles mesmos.
Já nos foi dito: “Homem, quem quer que sejas, se julgas, para ti não há desculpa, porque te condenas a ti mesmo, uma vez que fazes exatamente as mesmas coisas.”
É surpreendente ver como os homens falam das virtudes e da honra e não pautam suas vidas nem por uma nem por outra. A boca exprime o que o coração deveria ter em abundância, mas quase sempre é o reverso do que o homem pratica.
Os homens podem realmente, de um certo modo, interessar-se pela Maçonaria, mesmo que muitos deficientes em virtudes. Um homem pode ser bom em geral e muito mau em particular: bom na Loja e ruim no mundo profano, bom em público e mau para com a família.
Muitos desejam sinceramente ser bons maçons. Mas é preciso que resistam a certos estímulos, que sacrifiquem certos caprichos. Como é ingrato aquele que morre medíocre, sem nada fazer que o glorifique para os Céus. Sua vida é como árvore estéril, que vive, cresce, exaure o solo e ainda assim não deixa uma semente, nenhum bom trabalho que possa deixar outro depois dele! Nem todos podem deixar alguma coisa para a posteridade, mas todos podem deixar alguma coisa, de acordo com suas possibilidades e condições.
Quem pretender alçar-se aos Céus, sozinho dificilmente encontrará o caminho.
A operosidade jamais é infrutífera. Se não trouxer alegria com o lucro, ao menos, por mantê-lo ocupado, evitará outros males. Tem-se liberdade para fazer qualquer coisa, devemos encará-la como uma dádiva dos Céus; tem-se a predisposição de usar bem essa liberdade, então é uma dádiva da Divindade.
Maçonaria é ação, não inércia. Ela exige de seus iniciados que trabalhem, ativa e zelosamente, para o benefício de seus Irmãos, de seu país e da Humanidade. É a defensora dos oprimidos, do mesmo modo que consola e conforta os desafortunados. Frente a ela é muito mais honroso ser o instrumento do progresso e da reforma do que se deliciar nos títulos pomposos e nos autos cargos que ela confere. A Maçonaria advoga pelo homem comum no que envolve os melhores interesses da Humanidade. Ela odeia o poder insolente e a usurpação desavergonhada. Apieda-se do pobre, dos que sofrem, dos aflitos; e trabalha para elevar o ignorante, os que caíram e os desafortunados.
A fidelidade à sua missão será medida pela extensão de seus esforços e pelos meios que empregar para melhorar as condições dos povos. Um povo inteligente, informado de seus direitos, logo saberá do poder que tem e não será oprimido. Uma nação nunca estará segura se descansar no colo da ignorância. Melhorar a massa do povo é a grade garantia da liberdade popular. Se isso for negligenciado, todo o refinamento, a cortesia e o conhecimento acumulado nas classes superiores perecerão mais dia menos dia, tal como capim seco no fogo da fúria popular.
Não é a missão da Maçonaria engajar-se em tramas e conspirações contra o governo civil. Ela não faz propaganda fanática de qualquer credo ou teoria; nem se proclama inimiga de governos. Ela é o apóstolo da liberdade, da igualdade e da fraternidade. Não faz pactos com seitas de teóricos, utopistas ou filósofos. Não reconhece como seus iniciados aqueles que afrontam a ordem civil e a autoridade legal, nem aqueles que se propõem a negar aos moribundos o consolo da religião. Ela se coloca à parte de todas as seitas e credos, em sua dignidade calma e simples, sempre a mesma sob qualquer governo.
A Maçonaria reconhece como verdade que a necessidade, assim como o direito abstrato e a justiça ideal, devem ter sua participação na elaboração das leis, na administração dos afazeres públicos e na regulamentação das relações da sociedade. Sabe o quanto a necessidade tem por prioridade nas lidas humanas. A Maçonaria espera e anseia pelo dia em que todos os povos, mesmo os mais retrógrados, se elevem e se qualifiquem para a liberdade política, quando, como todos os males que afligem a terra, a pobreza, a servidão e a dependência abjeta não mais existirão. Onde quer que um povo se capacite à liberdade e a governar-se a si próprio, aí residem as simpatias da Maçonaria.
A Maçonaria jamais será instrumento de tolerância para com a maldade, de enfraquecimento moral ou de depravação e brutalização do espírito humano. O medo da punição jamais fará do maçom um cúmplice para corromper seus compatriotas nem um instrumento de depravação e barbarismo. Onde quer que seja, como já aconteceu, se um tirano mandar prender um crítico mordaz para que seja julgado e punido, caso um maçom faça parte do júri cabe a ele defendê-lo, ainda que à vista do cadafalso e das baionetas do tirano.
O maçom prefere passar sua vida oculto no recesso da penumbra, alimentando o espírito com visões de boas e nobres ações, do que ser colocado no mais resplandecente dos tronos e ser impedido de realizar o que deve.
Se ele tiver dado o menor impulso que seja a qualquer intento nobre; se ele tiver acalmado ânimos e consciências, aliviado o jugo da pobreza e da dependência ou socorrido homens dignos do grilhão da opressão; se ele tiver ajudado seus compatriotas a obter paz, a mais preciosa das possessões; se ele cooperou para reconciliar partes conflitantes e para ensinar aos cidadãos a buscar a proteção das leis de seu país; se ele fez sua parte, com os melhores e pautou-se pelas mais nobres ações, ele pode descansar, porque não viveu em vão.
A Maçonaria ensina que todo poder é delegado para o bem e não para o mal do povo. A resistência ao poder usurpado não é meramente um dever que o homem deve a si próprio e a seu semelhante, mas uma obrigação que ele deve a Deus para restabelecer e manter a posição que Ele lhe confiou na criação. O maçom sábio e bem informado dedicar-se-á à Liberdade e à Justiça. Estará sempre pronto a lutar em sua defesa, onde quer que elas existam. Não será nunca indiferente a ele quando a Liberdade, a sua ou a de outro homem de mérito, estiver ameaçada.
O verdadeiro maçom identifica a honra de seu país como a sua própria. Nada conduz mais à glória e à beleza de um país do que ter a justiça administrada a todos de igual modo, a ninguém negada, vendida ou preterida.
Não se esqueçam, pois daquilo a que você devotou quando entrou na Maçonaria: defenda o fraco contra o truculento.



Maçonaria – Moral e Dogma

Publicado na  em Tempo de Estudos 15 de Junho de 2010
A Maçonaria possui em sua filosofia um ensinamento que pode ser expresso num simples ditame: “Proteja os oprimidos dos opressores; e dedique-se à honra e aos interesses de seu País”.
Maçonaria não é especulativa nem teórica, mas experimental, não sentimental, mas prática. Ela requer renúncia e autocontrole. Ela apresenta uma face severa aos vícios do homem e interfere em muitos de nossos objetivos e prazeres. Penetra além da região do pensamento vago; além das regiões em que moralizadores e filósofos teceram suas belas teorias e elaboraram suas esplêndidas máximas, alcançando as profundezas do coração, repreendendo-nos por nossa mesquinhez, acusando-nos de nossos preconceitos e paixões e guerreando contra nossos vícios.
É uma luta contra paixões que brotam do seio dos mais puros sentimentos, um mundo onde preconceitos admiráveis contrastam com práticas viciosas, de bons ditados e más ações; onde paixões abjetas não são apenas refreadas pelos costumes e pelos cerimoniais, mas se escondem por trás de um véu de bonitos sentimentos. Esse solecismo tem existido por todas as épocas. O sentimentalismo católico tem muitas vezes acobertado a infidelidade e o vício. A retidão dos protestantes apregoa, frequentemente, a espiritualidade e a fé, mas negligencia a verdade simples, a candura e a generosidade; e a sofisticação do racionalismo ultraliberal em muitas ocasiões conduz ao céu em seus sonhos, mas chafurda na lama de suas ações.
Por mais que exista um mundo de sentimentos maçônicos, ainda assim ele pode ser um mundo onde ela está ausente. Ainda que haja um sentimento vago de caridade maçônica, generosidade e desprendimento, falta a prática ativa da virtude, da bondade, do altruísmo e da liberalidade. A Maçonaria assemelha-se aí às luzes frias, embora brilhantes.
Há clarões ocasionais de sentimentos generosos e viris, um esplendor fugaz de pensamentos nobres e elevados, que iluminam a imaginação de alguns. Mas não há o calor vital em seus corações.
Boa parte dos homens tem sentimentos, mas não princípios. Os sentimentos são sensações temporárias, enquanto os princípios são como virtudes permanentemente impressas na alma para seu controle. Os sentimentos são vagos e involuntários; não ascendem ao nível da virtude. Todos os têm. Mas os princípios são regras de conduta que moldam e controlam nossas ações. Pois é justamente neles que a Maçonaria insiste.
Nós aprovamos o que é certo, mas geralmente fazemos o que é errado; essa é a velha história das deficiências humanas. Ninguém encoraja e aplaude injustiça, fraude, opressão, ambição, vingança, inveja ou calúnia; ainda assim, quantos dos que condenam essas atitudes são culpados delas, eles mesmos.
Já nos foi dito: “Homem, quem quer que sejas, se julgas, para ti não há desculpa, porque te condenas a ti mesmo, uma vez que fazes exatamente as mesmas coisas.”
É surpreendente ver como os homens falam das virtudes e da honra e não pautam suas vidas nem por uma nem por outra. A boca exprime o que o coração deveria ter em abundância, mas quase sempre é o reverso do que o homem pratica.
Os homens podem realmente, de um certo modo, interessar-se pela Maçonaria, mesmo que muitos deficientes em virtudes. Um homem pode ser bom em geral e muito mau em particular: bom na Loja e ruim no mundo profano, bom em público e mau para com a família.
Muitos desejam sinceramente ser bons maçons. Mas é preciso que resistam a certos estímulos, que sacrifiquem certos caprichos. Como é ingrato aquele que morre medíocre, sem nada fazer que o glorifique para os Céus. Sua vida é como árvore estéril, que vive, cresce, exaure o solo e ainda assim não deixa uma semente, nenhum bom trabalho que possa deixar outro depois dele! Nem todos podem deixar alguma coisa para a posteridade, mas todos podem deixar alguma coisa, de acordo com suas possibilidades e condições.
Quem pretender alçar-se aos Céus, sozinho dificilmente encontrará o caminho.
A operosidade jamais é infrutífera. Se não trouxer alegria com o lucro, ao menos, por mantê-lo ocupado, evitará outros males. Tem-se liberdade para fazer qualquer coisa, devemos encará-la como uma dádiva dos Céus; tem-se a predisposição de usar bem essa liberdade, então é uma dádiva da Divindade.
Maçonaria é ação, não inércia. Ela exige de seus iniciados que trabalhem, ativa e zelosamente, para o benefício de seus Irmãos, de seu país e da Humanidade. É a defensora dos oprimidos, do mesmo modo que consola e conforta os desafortunados. Frente a ela é muito mais honroso ser o instrumento do progresso e da reforma do que se deliciar nos títulos pomposos e nos autos cargos que ela confere. A Maçonaria advoga pelo homem comum no que envolve os melhores interesses da Humanidade. Ela odeia o poder insolente e a usurpação desavergonhada. Apieda-se do pobre, dos que sofrem, dos aflitos; e trabalha para elevar o ignorante, os que caíram e os desafortunados.
A fidelidade à sua missão será medida pela extensão de seus esforços e pelos meios que empregar para melhorar as condições dos povos. Um povo inteligente, informado de seus direitos, logo saberá do poder que tem e não será oprimido. Uma nação nunca estará segura se descansar no colo da ignorância. Melhorar a massa do povo é a grade garantia da liberdade popular. Se isso for negligenciado, todo o refinamento, a cortesia e o conhecimento acumulado nas classes superiores perecerão mais dia menos dia, tal como capim seco no fogo da fúria popular.
Não é a missão da Maçonaria engajar-se em tramas e conspirações contra o governo civil. Ela não faz propaganda fanática de qualquer credo ou teoria; nem se proclama inimiga de governos. Ela é o apóstolo da liberdade, da igualdade e da fraternidade. Não faz pactos com seitas de teóricos, utopistas ou filósofos. Não reconhece como seus iniciados aqueles que afrontam a ordem civil e a autoridade legal, nem aqueles que se propõem a negar aos moribundos o consolo da religião. Ela se coloca à parte de todas as seitas e credos, em sua dignidade calma e simples, sempre a mesma sob qualquer governo.
A Maçonaria reconhece como verdade que a necessidade, assim como o direito abstrato e a justiça ideal, devem ter sua participação na elaboração das leis, na administração dos afazeres públicos e na regulamentação das relações da sociedade. Sabe o quanto a necessidade tem por prioridade nas lidas humanas. A Maçonaria espera e anseia pelo dia em que todos os povos, mesmo os mais retrógrados, se elevem e se qualifiquem para a liberdade política, quando, como todos os males que afligem a terra, a pobreza, a servidão e a dependência abjeta não mais existirão. Onde quer que um povo se capacite à liberdade e a governar-se a si próprio, aí residem as simpatias da Maçonaria.
A Maçonaria jamais será instrumento de tolerância para com a maldade, de enfraquecimento moral ou de depravação e brutalização do espírito humano. O medo da punição jamais fará do maçom um cúmplice para corromper seus compatriotas nem um instrumento de depravação e barbarismo. Onde quer que seja, como já aconteceu, se um tirano mandar prender um crítico mordaz para que seja julgado e punido, caso um maçom faça parte do júri cabe a ele defendê-lo, ainda que à vista do cadafalso e das baionetas do tirano.
O maçom prefere passar sua vida oculto no recesso da penumbra, alimentando o espírito com visões de boas e nobres ações, do que ser colocado no mais resplandecente dos tronos e ser impedido de realizar o que deve.
Se ele tiver dado o menor impulso que seja a qualquer intento nobre; se ele tiver acalmado ânimos e consciências, aliviado o jugo da pobreza e da dependência ou socorrido homens dignos do grilhão da opressão; se ele tiver ajudado seus compatriotas a obter paz, a mais preciosa das possessões; se ele cooperou para reconciliar partes conflitantes e para ensinar aos cidadãos a buscar a proteção das leis de seu país; se ele fez sua parte, com os melhores e pautou-se pelas mais nobres ações, ele pode descansar, porque não viveu em vão.
A Maçonaria ensina que todo poder é delegado para o bem e não para o mal do povo. A resistência ao poder usurpado não é meramente um dever que o homem deve a si próprio e a seu semelhante, mas uma obrigação que ele deve a Deus para restabelecer e manter a posição que Ele lhe confiou na criação. O maçom sábio e bem informado dedicar-se-á à Liberdade e à Justiça. Estará sempre pronto a lutar em sua defesa, onde quer que elas existam. Não será nunca indiferente a ele quando a Liberdade, a sua ou a de outro homem de mérito, estiver ameaçada.
O verdadeiro maçom identifica a honra de seu país como a sua própria. Nada conduz mais à glória e à beleza de um país do que ter a justiça administrada a todos de igual modo, a ninguém negada, vendida ou preterida.
Não se esqueçam, pois daquilo a que você devotou quando entrou na Maçonaria: defenda o fraco contra o truculento.



Maçonaria – Moral e Dogma

Publicado na  em Tempo de Estudos 15 de Junho de 2010
A Maçonaria possui em sua filosofia um ensinamento que pode ser expresso num simples ditame: “Proteja os oprimidos dos opressores; e dedique-se à honra e aos interesses de seu País”.
Maçonaria não é especulativa nem teórica, mas experimental, não sentimental, mas prática. Ela requer renúncia e autocontrole. Ela apresenta uma face severa aos vícios do homem e interfere em muitos de nossos objetivos e prazeres. Penetra além da região do pensamento vago; além das regiões em que moralizadores e filósofos teceram suas belas teorias e elaboraram suas esplêndidas máximas, alcançando as profundezas do coração, repreendendo-nos por nossa mesquinhez, acusando-nos de nossos preconceitos e paixões e guerreando contra nossos vícios.
É uma luta contra paixões que brotam do seio dos mais puros sentimentos, um mundo onde preconceitos admiráveis contrastam com práticas viciosas, de bons ditados e más ações; onde paixões abjetas não são apenas refreadas pelos costumes e pelos cerimoniais, mas se escondem por trás de um véu de bonitos sentimentos. Esse solecismo tem existido por todas as épocas. O sentimentalismo católico tem muitas vezes acobertado a infidelidade e o vício. A retidão dos protestantes apregoa, frequentemente, a espiritualidade e a fé, mas negligencia a verdade simples, a candura e a generosidade; e a sofisticação do racionalismo ultraliberal em muitas ocasiões conduz ao céu em seus sonhos, mas chafurda na lama de suas ações.
Por mais que exista um mundo de sentimentos maçônicos, ainda assim ele pode ser um mundo onde ela está ausente. Ainda que haja um sentimento vago de caridade maçônica, generosidade e desprendimento, falta a prática ativa da virtude, da bondade, do altruísmo e da liberalidade. A Maçonaria assemelha-se aí às luzes frias, embora brilhantes.
Há clarões ocasionais de sentimentos generosos e viris, um esplendor fugaz de pensamentos nobres e elevados, que iluminam a imaginação de alguns. Mas não há o calor vital em seus corações.
Boa parte dos homens tem sentimentos, mas não princípios. Os sentimentos são sensações temporárias, enquanto os princípios são como virtudes permanentemente impressas na alma para seu controle. Os sentimentos são vagos e involuntários; não ascendem ao nível da virtude. Todos os têm. Mas os princípios são regras de conduta que moldam e controlam nossas ações. Pois é justamente neles que a Maçonaria insiste.
Nós aprovamos o que é certo, mas geralmente fazemos o que é errado; essa é a velha história das deficiências humanas. Ninguém encoraja e aplaude injustiça, fraude, opressão, ambição, vingança, inveja ou calúnia; ainda assim, quantos dos que condenam essas atitudes são culpados delas, eles mesmos.
Já nos foi dito: “Homem, quem quer que sejas, se julgas, para ti não há desculpa, porque te condenas a ti mesmo, uma vez que fazes exatamente as mesmas coisas.”
É surpreendente ver como os homens falam das virtudes e da honra e não pautam suas vidas nem por uma nem por outra. A boca exprime o que o coração deveria ter em abundância, mas quase sempre é o reverso do que o homem pratica.
Os homens podem realmente, de um certo modo, interessar-se pela Maçonaria, mesmo que muitos deficientes em virtudes. Um homem pode ser bom em geral e muito mau em particular: bom na Loja e ruim no mundo profano, bom em público e mau para com a família.
Muitos desejam sinceramente ser bons maçons. Mas é preciso que resistam a certos estímulos, que sacrifiquem certos caprichos. Como é ingrato aquele que morre medíocre, sem nada fazer que o glorifique para os Céus. Sua vida é como árvore estéril, que vive, cresce, exaure o solo e ainda assim não deixa uma semente, nenhum bom trabalho que possa deixar outro depois dele! Nem todos podem deixar alguma coisa para a posteridade, mas todos podem deixar alguma coisa, de acordo com suas possibilidades e condições.
Quem pretender alçar-se aos Céus, sozinho dificilmente encontrará o caminho.
A operosidade jamais é infrutífera. Se não trouxer alegria com o lucro, ao menos, por mantê-lo ocupado, evitará outros males. Tem-se liberdade para fazer qualquer coisa, devemos encará-la como uma dádiva dos Céus; tem-se a predisposição de usar bem essa liberdade, então é uma dádiva da Divindade.
Maçonaria é ação, não inércia. Ela exige de seus iniciados que trabalhem, ativa e zelosamente, para o benefício de seus Irmãos, de seu país e da Humanidade. É a defensora dos oprimidos, do mesmo modo que consola e conforta os desafortunados. Frente a ela é muito mais honroso ser o instrumento do progresso e da reforma do que se deliciar nos títulos pomposos e nos autos cargos que ela confere. A Maçonaria advoga pelo homem comum no que envolve os melhores interesses da Humanidade. Ela odeia o poder insolente e a usurpação desavergonhada. Apieda-se do pobre, dos que sofrem, dos aflitos; e trabalha para elevar o ignorante, os que caíram e os desafortunados.
A fidelidade à sua missão será medida pela extensão de seus esforços e pelos meios que empregar para melhorar as condições dos povos. Um povo inteligente, informado de seus direitos, logo saberá do poder que tem e não será oprimido. Uma nação nunca estará segura se descansar no colo da ignorância. Melhorar a massa do povo é a grade garantia da liberdade popular. Se isso for negligenciado, todo o refinamento, a cortesia e o conhecimento acumulado nas classes superiores perecerão mais dia menos dia, tal como capim seco no fogo da fúria popular.
Não é a missão da Maçonaria engajar-se em tramas e conspirações contra o governo civil. Ela não faz propaganda fanática de qualquer credo ou teoria; nem se proclama inimiga de governos. Ela é o apóstolo da liberdade, da igualdade e da fraternidade. Não faz pactos com seitas de teóricos, utopistas ou filósofos. Não reconhece como seus iniciados aqueles que afrontam a ordem civil e a autoridade legal, nem aqueles que se propõem a negar aos moribundos o consolo da religião. Ela se coloca à parte de todas as seitas e credos, em sua dignidade calma e simples, sempre a mesma sob qualquer governo.
A Maçonaria reconhece como verdade que a necessidade, assim como o direito abstrato e a justiça ideal, devem ter sua participação na elaboração das leis, na administração dos afazeres públicos e na regulamentação das relações da sociedade. Sabe o quanto a necessidade tem por prioridade nas lidas humanas. A Maçonaria espera e anseia pelo dia em que todos os povos, mesmo os mais retrógrados, se elevem e se qualifiquem para a liberdade política, quando, como todos os males que afligem a terra, a pobreza, a servidão e a dependência abjeta não mais existirão. Onde quer que um povo se capacite à liberdade e a governar-se a si próprio, aí residem as simpatias da Maçonaria.
A Maçonaria jamais será instrumento de tolerância para com a maldade, de enfraquecimento moral ou de depravação e brutalização do espírito humano. O medo da punição jamais fará do maçom um cúmplice para corromper seus compatriotas nem um instrumento de depravação e barbarismo. Onde quer que seja, como já aconteceu, se um tirano mandar prender um crítico mordaz para que seja julgado e punido, caso um maçom faça parte do júri cabe a ele defendê-lo, ainda que à vista do cadafalso e das baionetas do tirano.
O maçom prefere passar sua vida oculto no recesso da penumbra, alimentando o espírito com visões de boas e nobres ações, do que ser colocado no mais resplandecente dos tronos e ser impedido de realizar o que deve.
Se ele tiver dado o menor impulso que seja a qualquer intento nobre; se ele tiver acalmado ânimos e consciências, aliviado o jugo da pobreza e da dependência ou socorrido homens dignos do grilhão da opressão; se ele tiver ajudado seus compatriotas a obter paz, a mais preciosa das possessões; se ele cooperou para reconciliar partes conflitantes e para ensinar aos cidadãos a buscar a proteção das leis de seu país; se ele fez sua parte, com os melhores e pautou-se pelas mais nobres ações, ele pode descansar, porque não viveu em vão.
A Maçonaria ensina que todo poder é delegado para o bem e não para o mal do povo. A resistência ao poder usurpado não é meramente um dever que o homem deve a si próprio e a seu semelhante, mas uma obrigação que ele deve a Deus para restabelecer e manter a posição que Ele lhe confiou na criação. O maçom sábio e bem informado dedicar-se-á à Liberdade e à Justiça. Estará sempre pronto a lutar em sua defesa, onde quer que elas existam. Não será nunca indiferente a ele quando a Liberdade, a sua ou a de outro homem de mérito, estiver ameaçada.
O verdadeiro maçom identifica a honra de seu país como a sua própria. Nada conduz mais à glória e à beleza de um país do que ter a justiça administrada a todos de igual modo, a ninguém negada, vendida ou preterida.
Não se esqueçam, pois daquilo a que você devotou quando entrou na Maçonaria: defenda o fraco contra o truculento.



Maçonaria – Moral e Dogma

Publicado na  em Tempo de Estudos 15 de Junho de 2010
A Maçonaria possui em sua filosofia um ensinamento que pode ser expresso num simples ditame: “Proteja os oprimidos dos opressores; e dedique-se à honra e aos interesses de seu País”.
Maçonaria não é especulativa nem teórica, mas experimental, não sentimental, mas prática. Ela requer renúncia e autocontrole. Ela apresenta uma face severa aos vícios do homem e interfere em muitos de nossos objetivos e prazeres. Penetra além da região do pensamento vago; além das regiões em que moralizadores e filósofos teceram suas belas teorias e elaboraram suas esplêndidas máximas, alcançando as profundezas do coração, repreendendo-nos por nossa mesquinhez, acusando-nos de nossos preconceitos e paixões e guerreando contra nossos vícios.
É uma luta contra paixões que brotam do seio dos mais puros sentimentos, um mundo onde preconceitos admiráveis contrastam com práticas viciosas, de bons ditados e más ações; onde paixões abjetas não são apenas refreadas pelos costumes e pelos cerimoniais, mas se escondem por trás de um véu de bonitos sentimentos. Esse solecismo tem existido por todas as épocas. O sentimentalismo católico tem muitas vezes acobertado a infidelidade e o vício. A retidão dos protestantes apregoa, frequentemente, a espiritualidade e a fé, mas negligencia a verdade simples, a candura e a generosidade; e a sofisticação do racionalismo ultraliberal em muitas ocasiões conduz ao céu em seus sonhos, mas chafurda na lama de suas ações.
Por mais que exista um mundo de sentimentos maçônicos, ainda assim ele pode ser um mundo onde ela está ausente. Ainda que haja um sentimento vago de caridade maçônica, generosidade e desprendimento, falta a prática ativa da virtude, da bondade, do altruísmo e da liberalidade. A Maçonaria assemelha-se aí às luzes frias, embora brilhantes.
Há clarões ocasionais de sentimentos generosos e viris, um esplendor fugaz de pensamentos nobres e elevados, que iluminam a imaginação de alguns. Mas não há o calor vital em seus corações.
Boa parte dos homens tem sentimentos, mas não princípios. Os sentimentos são sensações temporárias, enquanto os princípios são como virtudes permanentemente impressas na alma para seu controle. Os sentimentos são vagos e involuntários; não ascendem ao nível da virtude. Todos os têm. Mas os princípios são regras de conduta que moldam e controlam nossas ações. Pois é justamente neles que a Maçonaria insiste.
Nós aprovamos o que é certo, mas geralmente fazemos o que é errado; essa é a velha história das deficiências humanas. Ninguém encoraja e aplaude injustiça, fraude, opressão, ambição, vingança, inveja ou calúnia; ainda assim, quantos dos que condenam essas atitudes são culpados delas, eles mesmos.
Já nos foi dito: “Homem, quem quer que sejas, se julgas, para ti não há desculpa, porque te condenas a ti mesmo, uma vez que fazes exatamente as mesmas coisas.”
É surpreendente ver como os homens falam das virtudes e da honra e não pautam suas vidas nem por uma nem por outra. A boca exprime o que o coração deveria ter em abundância, mas quase sempre é o reverso do que o homem pratica.
Os homens podem realmente, de um certo modo, interessar-se pela Maçonaria, mesmo que muitos deficientes em virtudes. Um homem pode ser bom em geral e muito mau em particular: bom na Loja e ruim no mundo profano, bom em público e mau para com a família.
Muitos desejam sinceramente ser bons maçons. Mas é preciso que resistam a certos estímulos, que sacrifiquem certos caprichos. Como é ingrato aquele que morre medíocre, sem nada fazer que o glorifique para os Céus. Sua vida é como árvore estéril, que vive, cresce, exaure o solo e ainda assim não deixa uma semente, nenhum bom trabalho que possa deixar outro depois dele! Nem todos podem deixar alguma coisa para a posteridade, mas todos podem deixar alguma coisa, de acordo com suas possibilidades e condições.
Quem pretender alçar-se aos Céus, sozinho dificilmente encontrará o caminho.
A operosidade jamais é infrutífera. Se não trouxer alegria com o lucro, ao menos, por mantê-lo ocupado, evitará outros males. Tem-se liberdade para fazer qualquer coisa, devemos encará-la como uma dádiva dos Céus; tem-se a predisposição de usar bem essa liberdade, então é uma dádiva da Divindade.
Maçonaria é ação, não inércia. Ela exige de seus iniciados que trabalhem, ativa e zelosamente, para o benefício de seus Irmãos, de seu país e da Humanidade. É a defensora dos oprimidos, do mesmo modo que consola e conforta os desafortunados. Frente a ela é muito mais honroso ser o instrumento do progresso e da reforma do que se deliciar nos títulos pomposos e nos autos cargos que ela confere. A Maçonaria advoga pelo homem comum no que envolve os melhores interesses da Humanidade. Ela odeia o poder insolente e a usurpação desavergonhada. Apieda-se do pobre, dos que sofrem, dos aflitos; e trabalha para elevar o ignorante, os que caíram e os desafortunados.
A fidelidade à sua missão será medida pela extensão de seus esforços e pelos meios que empregar para melhorar as condições dos povos. Um povo inteligente, informado de seus direitos, logo saberá do poder que tem e não será oprimido. Uma nação nunca estará segura se descansar no colo da ignorância. Melhorar a massa do povo é a grade garantia da liberdade popular. Se isso for negligenciado, todo o refinamento, a cortesia e o conhecimento acumulado nas classes superiores perecerão mais dia menos dia, tal como capim seco no fogo da fúria popular.
Não é a missão da Maçonaria engajar-se em tramas e conspirações contra o governo civil. Ela não faz propaganda fanática de qualquer credo ou teoria; nem se proclama inimiga de governos. Ela é o apóstolo da liberdade, da igualdade e da fraternidade. Não faz pactos com seitas de teóricos, utopistas ou filósofos. Não reconhece como seus iniciados aqueles que afrontam a ordem civil e a autoridade legal, nem aqueles que se propõem a negar aos moribundos o consolo da religião. Ela se coloca à parte de todas as seitas e credos, em sua dignidade calma e simples, sempre a mesma sob qualquer governo.
A Maçonaria reconhece como verdade que a necessidade, assim como o direito abstrato e a justiça ideal, devem ter sua participação na elaboração das leis, na administração dos afazeres públicos e na regulamentação das relações da sociedade. Sabe o quanto a necessidade tem por prioridade nas lidas humanas. A Maçonaria espera e anseia pelo dia em que todos os povos, mesmo os mais retrógrados, se elevem e se qualifiquem para a liberdade política, quando, como todos os males que afligem a terra, a pobreza, a servidão e a dependência abjeta não mais existirão. Onde quer que um povo se capacite à liberdade e a governar-se a si próprio, aí residem as simpatias da Maçonaria.
A Maçonaria jamais será instrumento de tolerância para com a maldade, de enfraquecimento moral ou de depravação e brutalização do espírito humano. O medo da punição jamais fará do maçom um cúmplice para corromper seus compatriotas nem um instrumento de depravação e barbarismo. Onde quer que seja, como já aconteceu, se um tirano mandar prender um crítico mordaz para que seja julgado e punido, caso um maçom faça parte do júri cabe a ele defendê-lo, ainda que à vista do cadafalso e das baionetas do tirano.
O maçom prefere passar sua vida oculto no recesso da penumbra, alimentando o espírito com visões de boas e nobres ações, do que ser colocado no mais resplandecente dos tronos e ser impedido de realizar o que deve.
Se ele tiver dado o menor impulso que seja a qualquer intento nobre; se ele tiver acalmado ânimos e consciências, aliviado o jugo da pobreza e da dependência ou socorrido homens dignos do grilhão da opressão; se ele tiver ajudado seus compatriotas a obter paz, a mais preciosa das possessões; se ele cooperou para reconciliar partes conflitantes e para ensinar aos cidadãos a buscar a proteção das leis de seu país; se ele fez sua parte, com os melhores e pautou-se pelas mais nobres ações, ele pode descansar, porque não viveu em vão.
A Maçonaria ensina que todo poder é delegado para o bem e não para o mal do povo. A resistência ao poder usurpado não é meramente um dever que o homem deve a si próprio e a seu semelhante, mas uma obrigação que ele deve a Deus para restabelecer e manter a posição que Ele lhe confiou na criação. O maçom sábio e bem informado dedicar-se-á à Liberdade e à Justiça. Estará sempre pronto a lutar em sua defesa, onde quer que elas existam. Não será nunca indiferente a ele quando a Liberdade, a sua ou a de outro homem de mérito, estiver ameaçada.
O verdadeiro maçom identifica a honra de seu país como a sua própria. Nada conduz mais à glória e à beleza de um país do que ter a justiça administrada a todos de igual modo, a ninguém negada, vendida ou preterida.
Não se esqueçam, pois daquilo a que você devotou quando entrou na Maçonaria: defenda o fraco contra o truculento.

segunda-feira, dezembro 29, 2014



Estamos prestes a festejar o fim do Ano Velho e a assinalar o início de 2015, o Ano Novo das anualmente renovadas esperanças de que cada novo princípio seja o início de um período melhor do que o que o anterior.

Para quem viveu os tempos duros dos últimos anos em Portugal, parece evidente que 2015 só pode ser melhor, quanto mais não seja porque, como diz a canção popularpara pior já basta assim!

Mas se todos vamos tendo esperanças de que o fundo em que batemos já está para trás e o horizonte começa a desanuviar, também é tempo de equilíbrio. Saltar da depressão para a euforia é manobra perigosa, verdadeiro salto mortal das nossas expectativas de digna melhoria das nossas condições de vida. Não se salta da cama, vencida perturbadora gripe ou arrasadora pneumonia, para se ir logo correr a maratona... Primeiro há que reganhar forças, paulatinamente retomar a forma e então, sim, pode-se partir à conquista da nossa merecida coroa de louros, devida homenagem que, no meu entender, devia ser conferida a todos aqueles que completam os 42.195 metros da mítica corrida, como símbolo da superação pessoal que - seja no tempo que for, em primeiro ou último lugar - constitui essa dura prova.

Que 2015 seja por todos vivido com a Sabedoria do necessário Equilíbrio, para que todos possam avançar em passos seguros e não sofram dolorosas quedas!

Mas se o Equilíbrio, a meu ver, vai ser necessário, a Tolerância, essa, vai ser imprescindível.

Portugal vai viver todo um ano de luta eleitoral, de permanente campanha, de prolongada época do peculiar desporto "venatório" da caça ao voto, que é propício a excessos e clubismos que são tudo menos saudáveis.

O confronto de ideias é saudável. A exposição de diferentes perspetivas para os caminhos que coletivamente vamos percorrer é indispensável. Mas o exercício da cidadania e a prática da democracia que, felizmente mesmo em condições duras, todos nós demonstramos continuar a prezar, necessita, para ser plena e verdadeiramente livre, de ser acompanhado da Tolerância.

Tolerância para ouvir a exposição de outros caminhos e de outras ideias com que não nos identificamos. Tolerância para confrontarmos esses outros pontos de vista com as nossas escolhas, em ordem a melhorarmos estas com o contributo que porventura os pontos de vista diferentes lhe possam dar. Tolerância para perspetivar que possa suceder não sermos nós quem tem razão. Tolerância para, eventualmente, admitir que, mesmo que continuemos a achar que o nosso ponto de vista é o melhor, outra foi a decisão coletivamente tomada. Tolerância para entender que, mesmo que ter a maioria não seja sinônimo de ter razão, esta confere a quem a alcançou o direito de procurar demonstrar os méritos da sua escolha e do seu caminho. Tolerância para reconhecer aos que defendem ideias e posturas e caminhos que se apurar minoritários o direito de continuar a defender as suas ideias, as suas posturas, os seus caminhos, contraponto indispensável em democracia para manter a maioria no rumo certo e prevenir - tanto quanto tal é possível - os excessos que o poder da maioria é tentado a ter. No fundo, tolerância para reconhecer aos outros, a todos os outros, os mesmos direitos, a mesma boa-fé, que reivindicamos para nós.

Se cada um de nós e todos nós coletivamente formos capazes de viver 2015 com Equilíbrio e com Tolerância, estou certo que não será demasiado otimismo antever que - finalmente! - conseguiremos de novo ter um bom ano.

Que assim seja!

Rui Bandeira 

domingo, dezembro 28, 2014


 RITO BRASILEIRO
RITO BRASILEIRO


Origem: Wikipédia .

O Rito Brasileiro foi reconhecido e incorporado oficialmente pelo Grande Oriente do Brasil em 1914, quando era Grão-Mestre Lauro Sodré.

Teve curta duração inicial, ficando sem uso até meados da década de 1940. De 1940 até a década de 1960, houve várias tentativas de reerguer o Rito, porém sem sucesso. Somente em 1968, sendo Grão-Mestre o professor Álvaro Palmeira, este Rito foi regularizado, sendo praticado por várias Lojas até aos dias atuais.

Adota a legenda Urbi et Orbi (até então usada privativamente pela Igreja Romana), que significa sua atuação nacional e internacional.

Tal como o Rito Escocês Antigo e Aceito, adota o sistema de 33 graus em seus ensinamentos, com três graus simbólicos e trinta graus filosóficos, mas com a diferença de que seus graus ditos filosóficos estudam temas atuais e relevantes.

• É um Rito Regular, já que acata os Landmarques e demais princípios tradicionais da Maçonaria, e os usos e costumes antigos. Com isso, pode ser praticado em qualquer país. Proclama a glória e a fraternidade dos homens, e estabelece, durante as sessões, a presença das três Grandes Luzes: o Livro da Lei Sagrada, o Esquadro e o Compasso, e emprega os símbolos da construção universal.

• Sua base é a Maçonaria Simbólica universal(graus de Aprendiz, Companheiro e Mestre). Sobre ela se eleva a Hierarquia de 30 Altos Graus (no grau 4 ao 33).

• O Rito Maçônico Brasileiro ou o Rito da Maçonaria Renovada, concilia a Tradição com a Evolução, para que, assim, a Maçonaria não se torne uma força esgotada.

Especializa-se no cultivo da Filosofia, Liturgia, Simbologia, História e Legislação maçônicas e estuda todos os grandes problemas nacionais e universais com implicações ou conseqüências no futuro da Pátria e da Humanidade. Realiza a indispensável cultura doutrinário-maçônica e também a cultura político-social dos Obreiros.

• Impõe a pratica do Civismo em cada Pátria, porque a Maçonaria é supranacional, mas não pode ser desnacionalizante.

• O Rito Brasileiro também chamado de Rito Maçônico Perene, conviverá fraternalmente com todos os Ritos Regulares, através da intervisitação e da interfiliação. O Rito exige dos Obreiros 



 

 
DESABAFO DE JOSÉ CASTELLANI
Meus caros Irmãos,
Alguém andou espalhando que eu estou saindo do Grande Oriente do Brasil e ingressando em outra Obediência. NÃO É VERDADE! Eu estou é saindo da Maçonaria. Cansei-me!
Eu já pertenci a diversas instituições e não houve uma onde eu visse tanta difamação, tanta calúnia, tanta injúria dirigida aos companheiros (para nós "Irmãos") quanto nesta instituição dita fraterna. Em 35 anos de atividade maçônica, já vi de tudo: eleições fraudadas, luta rasteira pelo poder, pasquineiros que só se projetam pelos ataques, futricas, traição, calúnias. Mantive, durante todos esses anos, a esperança de que isso melhorasse ; mas constatei, desencantado, que a situação só tem piorado.
Nunca precisei de Maçonaria para me projetar, ou para "aparecer" ; isso é para os derrotados na vida profissional. Dediquei a ela, em pesquisas e estudos, 35 anos de minha vida , e, em troca, recebi ataques e mais ataques dos que nunca se preocuparam em pesquisar e divulgar suas pesquisas e que nem ao menos conhecem a instituição a que pertencem.
Estou cansado! Vou me dedicar apenas à minha profissão e à minha família, antes que
chegue, a esta, a lama que alguns trazem para a Ordem maçônica, conspurcando-a.
Continuo amando a Sublime Instituição, cuja doutrina é perfeita. Mas os homens ainda não perceberam que, para se aperfeiçoar, é precisa amar ao próximo e não denegri-lo.
Um grande abraço fraternal a todos.
José Castellani
PS - Em função disto, estou me desligando de todas as listas, assim como estou me desligando de minhas oito Lojas.
Arquivado por R. Mecca em 06/06/2001

segunda-feira, dezembro 22, 2014



Tenho andado afastado deste espaço. Por duas razões: a primeira, pessoal, é que estou presentemente empenhado numa tarefa profissional que me consome muito do meu tempo, inclusive o que eu dedicava aos escritos aqui publicados; a segunda tem a ver com a passagem de testemunho na manutenção corrente do blogue para o Nuno Raimundo. Este blogue, como tudo na vida, deve evoluir para não estagnar, para não ser mais do mesmo e, assim, paulatinamente, reduzir-se à irrelevância. Achei - achamos! - que essa evolução deveria passar pela mudança de titularidade da manutenção corrente do blogue. Oito anos é muito tempo, muitos escritos aqui publiquei, de muitos temas tratei, tinha chegado ao ponto de me começar a repetir. Havia que refrescar, que mudar de estilo e de abordagem de temas. Essa evidência determinou a passagem de testemunho para o Nuno com a facilidade e naturalidade de uma simples frase: A partir de agora ficas tu responsável pelo blogue!

Esta passagem de testemunho, porém, no meu ponto de vista, implicava que o antigo cedesse indubitavelmente a condução do blogue, no estilo, na escolha dos temas, na definição dos tempos, ao novo responsável, sem sombras tutelares, sem intervenções, sem dúvidas. Implicava, assim - para mim, de forma muito clara -que quem saía da boca de cena saísse mesmo de cena, para que, sem qualquer perturbação ficasse claro quem era o novo condutor. Impus-me, assim, um período de silêncio de três meses, período mínimo que achei necessário para que ficasse claramente consolidada no espírito de quem segue este blogue a mudança na condução do mesmo. As únicas exceções foram pontuais e relacionadas com a divulgação da campanha VER MAIS.

Não encarei,porém, a saída de cena como definitiva, mas apenas como necessidade temporária para marcar bem a passagem para o estatuto de personagem secundária, suporte e auxiliar do novo e atual condutor do blogue. Por isso e porque o Nuno faz uma breve (e merecida) pausa de duas semanas na sua escrita, por ocasião deste período de festas, aproveitei para preencher a sua ausência com esta breve explicação. A exemplo do Ruah, do Paiva Setúbal e de outros, pontualmente publicarei aqui (talvez mensalmente) e ajudarei, quando necessário, a suprir ausências ou impossibilidades do Nuno, o atual Mestre condutor do blogue. Assim sendo, escrevo hoje, escrevo para a semana e depois... um dia qualquer apareço...

E porquê ter vindo agora explicar o que era já para todos evidente? Porque - é sabido! - nós, maçons, damos atenção e importância ao simbolismo.

Ontem foi o solstício de inverno (no hemisfério norte). Que melhor ocasião para marcar (colocar um marco) a renovação deste blogue, para dar público testemunho da confiança que já em privado transmitira ao Nuno na certeza que ele saberá fazer e fará melhor do que os fundadores deste blogue fizeram e que dedicada e competentemente assegurará a tarefa de ser a sua espinha dorsal até que - como eu tive a fortuna de poder fazer -, quando entender chegada a hora de ser ele a passar o testemunho o passe ao seu sucessor com a mesma naturalidade, facilidade e confiança com que eu o pude fazer.

Assim, este texto marca também o solstício enquanto símbolo da renovação para que o ciclo natural prossiga. No caso, marca, assinala, a renovação que foi feita, como necessária condição para a reinvenção e evolução deste blogue, com novas ideias, novas energias, novas e diferentes buscas, outro estilo. Com a expectativa de que este novo (já atual) ciclo manterá e incrementará a qualidade que procuramos ter neste espaço.

Entretanto - last but not the least! - para todos os meus votos de Boas Festas!

segunda-feira, dezembro 15, 2014



Nos tempos que correm, quando o Homem se encontra mais preocupado com seu “umbigo”, existir alguém com a capacidade e a vontade em auxiliar quem necessita é uma das melhores atitudes que poderemos ter para com o nosso semelhante.  E quando se auxilia alguém sem se esperar qualquer tipo de retorno por esse facto, atrevo-me até a dizer que é um ato de elevada nobreza por quem assim age. Ajudar-se apenas porque se quer ajudar não está ao nível de qualquer um. 
Muitas vezes as nossas ocupações diárias, sejam profissionais ou familiares não nos permitem ter a disponibilidade temporal para o fazermos, outras vezes talvez, serão razões de ordem financeira que impossibilitam quem quer ajudar o fazer. Mas ter a vontade para tal, será sempre o “gatilho” que poderá  despoletar o ato em si. Pode não ser hoje, pode não ser já amanhã, mas um dia o será…

E se para alguns terem a vontade de ajudar passa por terem passado por situações na sua vida que se assemelham à vida de quem querem auxiliar e assim mais facilmente poderem identificar quem podem ajudar e a forma de como o poderão fazer, outros será porque sentem que para preencherem a sua vida de forma plena, necessitam de praticar a caridade e ser beneficente com quem precisa. Cada um com a sua razão, cada um com toda a razão. 
Para ajudar, não é necessário sequer existir um motivo, basta se ter vontade e capacidade para tal, que nem sequer será necessário se raciocinar muito para que se passe à ação.

E a Maçonaria, pela sua história e pela sua implementação no mundo, sempre teve a sua quota-parteno que toca a ser solidária com o seu próximo. Seja através da fundação de escolas, da doação de bolsas de estudo ou até mesmo da criação de hospitais para usufruto da população e principalmente das crianças em si (nos EUA é bastante comum tal); o facto é que a Maçonaria auxilia a população dos países onde se encontra implementada. E se algumas vezes tal auxílio não é mais visível na sociedade, é devido aos estigmas que existem ainda nos tempos em que vivemos, mas fundamentalmente, porque quem quer ajudar não necessita de o publicitar. É usual até se dizer maçônicamente que a “mão esquerda não saiba o que deu a mão direita”. 

E isso encontra-se patente em sessão de Loja, no momento da circulação do “Tronco da Viúva”, em que a mão que depõe o óbolo se encontra fechada e sem mostrar o que se encontra no seu interior. Ninguém tem nada a haver com o que se oferece nem quem o faz. Nada ou ninguém questionarão porque se o fez ou se o fez sequer.Se o fez, foi porque o poderia fazer e ficará apenas na consciência dessa pessoa o montante depositado na bolsa referente ao respetivo “Tronco da Viúva”. Se não pode participar nesse contributo, no problem, algum motivo preponderante teve para que assim o fizesse. Não cabe a um maçom fazer juízos de valor sobre a atitude do seu Irmão. 

Algumas das aplicações do referido “tronco” são o apoio a instituições de caridade e beneficência que são patrocinadas  pela Maçonaria e até mesmo algumas associações de cariz religioso que agem na sociedade em prol de quem necessita ou casos singulares que surjam e que se considerem válidos os motivos pelos quais devem ser auxiliados. -Quando se quer ajudar, os “metais” não têm “cor, cheiro, nome ou dono”, o que é preciso é que sejam bem aplicados e recebidos por quem deles necessitam-.

Numa Loja maçônica a quem compete gerir este “fundo monetário” é ao Irmão Mestre Hospitaleiro. Mas existe a possibilidade, e é comum ser habitual, se criar uma Comissão própria para ser melhor gerido ou até mais transparente este tipo de gestão (consoante a opinião dos respetivos membros da Loja).  E geralmente os membros dessa “comissão de serviço” são o respetivo  Venerável da Loja, o Irmão Tesoureiro e o Irmão Hospitaleiro. Dessa forma, estarão representados nessa comissão,  quem preside a Loja, quem administra as finanças da Loja e quem tem a função de se ocupar com a aplicação da solidariedade da Loja.

quarta-feira, dezembro 10, 2014

O NOVO MESSIANISMO
Escravizados por Roma, os hebreus esperavam a chegada de um Messias-Rei que restauraria o Estado nacional de Davi. Entre os primeiros cristãos, esse  messianismo tinha se transformado na espera do retorno em glória de Cristo que faria chegar o fim dos tempos. O Messias judeu, ungido do Senhor e rei dos judeus, converteu-se  em Cristo redentor de todo o gênero humano.
O retorno de Cristo foi esperado pelos cristãos por mais de um século; depois, o declínio dessa esperança suscitou a instituição de uma Igreja por séculos e milênios.
O malogro do retorno de Cristo engendra a vitória da Igreja.
A espera cristã pelo fim dos tempos adormece, com algumas interrupções locais e temporárias em seitas exaltadas.
No século XVII, uma explosão de messianismo incendiou a alma de comunidades sefardis do Império Otomano.
Mass é dentro do espírito laico dos judeus-gentios europeus que, nos séculos XIX e XX, o messianismo ressuscita: judeu por sua origem, cristão pelo seu caráter universal, torna-se o anúncio de uma salvação terrena.
O novo messianismo judaico-gentílico combina a esperança judaica e o universalismo cristão. Ele encontra suas condições de emergência na fé no progresso, advinda do Iluminismo, expressa por Condorcet como uma certeza histórica, e na filosofia de Hegel, para quem o devir conduz à apoteose do Espírito.
Os jovens hegelianos judeus-gentios, tais como Max Stirner, Bruno Bauer, Ludwig Feuerbach e sobretudo Karl Marx, fizeram emergir do caldeirão de cultura hegeliano um messianismo revolucionário.
Marx, espírito racional extremamente poderoso, não suspeitava de forma alguma da inspiração místico-religiosa que o fazia designar o proletário como novo Messias redentor, anunciar um apocalipse - a luta final contra as forças tenebrosas do capitalismo - e predizer o fim da história na realização de uma sociedade socialista universal, livre da exploração, da servidão e da dominação.
A fundação do socialismo europeu se beneficiou de uma importante contribuição judaico-gentílica, a começar por aquela do próprio Marx. O internacionalismo que dele decorria suscitou a adesão crescente dos judeus-gentios universalistas; judeus-gentios emancipados pela nação aspiraram a uma emancipação - muito além dos judeus e das nações - da humanidade inteira.
Aqueles que aderiram à socialdemocracia combinavam os laços com sua nação e a adesão internacionalista. Em contrapartida, aqueles que aderiram ao bolchevismo e se tornaram comunistas consideravam as nações, suas culturas, suas religiões, istificações, ilusões e superstições como tantas outras que impediam o acesso à fraternidade universal. Eram totalmente universalistas, mas de um universalismo abstrato, que ignorava as realidades concretas das nações, das culturas e das religiões, assim como seu enraizamento profundo nos espíritos.
No império czarista, a mensagem revolucionária laicizou em parte o messianismo religioso que foi o chassidismo. Esse movimento de piedade mística, levado pela esperança de redenção, havia nascido no século precedente talvez sob a influência indireta do sabetaísmo, como sugere Gershom Scholem (*).  Os judeus-gentios do império czarista, submetidos às discriminações e às humilhações, ameaçados de pogroms, foram aqueles que viveram a fé na revolução de maneira mais ativa e mais ardente, e forneceram um grande número de dinamizadores do partido bolchevique, que conta em seu gabinete político com Zinoviev, Karnenev, Radek, Litvinov, Sverdlov, Kaganovitch, e depois o socialista revolucionário Trotski.

(*) Les Grands coutants de Ia mystique iuive, Payot, 1950. (Edição brasileira: As grandes correntes da mística judaica, Coleção Estudos 12, trad. J. Guinsburg, Dora Ruhrnan, Fany Kon, Jeanete Meiches e Renato Mezan. São Paulo: Perspectiva, 1995.)
A partir do início do século XX, judeus-gentios de linha marxista, tais como Bernstein e Kautsky, compreendendo que a profecia de Marx de generalização do proletariado pelo achatamento das classes médias não se realizaria, e conscientes da necessidade de salvaguardar a democracia, tornaram-se "reformistas" que moderaram o messianismo, deixando de lado seu aspecto apocalíptico e inserindo-o num progresso gradual.
Entraram em conflito com os marxistas ortodoxos, sobretudo bolcheviques, para quem se tornaram renegados. Por outro lado, foram iudeo-gentios do Império Austro-Húngaro, como Max Adler e Otto Bauer, que, desejando evitar ao mesmo tempo a ortodoxia e o reformismo, tentaram preencher as lacunas do pensamento de Marx, principalmente no que concerne à realidade das nações.
A Primeira Guerra Mundial, reconhecida pelos marxistas ortodoxos como uma guerra entre imperialismos, e depois o surgimento, na desintegração da Rússia czarista, da revolução bolchevique, constituíram elementos que apareceram como a realização de um apocalipse em que se defrontaram, de um lado, as forças furiosas do mal e de outro, as forças da salvação. Tal foi a convicção não somente dos bolcheviques, que doravante se nomeavam comunistas, mas também de inúmeros revolucionários judeus-gentios como Rosa Luxernburgo(**) e Karl Liebknecht. A palavra "revolução" adquire então uma carga mística inaudita que porta em si uma parturição de um mundo novo liberto do Mal.

(**)  Entretanto, desde a tomada do poder pelos bolcheviques russos, Rosa Luxemburgo teve a consciência antecipatória da doença que adviria do bolchevismo. Escreve ela: -A liberdade apenas para os membros de um partido, por mais numerosos que sejam, não é liberdade. A liberdade é sempre a liberdade para aquele que pensa diferente. - (La Réyolution russe, trad. do alemão para o francês e com um prefácio de Gilbert Badia, Le Temps des Cerises, 2000). Rosa Luxemburgo, assim como Liebknecht, foi assassinada em 15 de janeiro de 1919.
A grande esperança messiânica também suscita vocações revolucionários nos gentios. O comunismo torna-se no século XX, a primeira (e talvez última) grande religião da salvação terrena. Inúmeros judeus-gentios foram seus prosélitos ardentes. Persuadidos de servir à causa universal da humanidade, desprezando as crenças e as identidades nacionais e religiosas, não hesitaram em liquidar fisicamente os inimigos de classe, os agentes imperialistas ou supostos como tais e todos aqueles que, aos seus olhos, constituíam um obstáculo à realização do comunismo universal. Depois de ativos durante a Revolução de Outubro, muitos deles tornaram-se agentes da Terceira Internacional ( Komintern ), trazendo seu devotamento sem limites para a causa da URSS, identificada como sendo a de toda a humanidade.
 Na URSS o proletariado foi subjugado pelo Partido que, se apoderando da missão que Marx havia conferido a esse mesmo proletariado. Torna-se o único detentor da Verdade politica e organiza seu próprio culto. Quando advém a primeira glaciação stalinista, nos idos dos nãos 1930,  repressão abate um grande numero de judeus-gentios comunistas.
Entre os judeus-gentios revolucionários tornados agentes do Komintern, alguns se revoltaram e denunciaram o stalinismo; alguns o fizeram cedo demais como Ciliga e Voline, outros só na primeira glaciação stalinista como Artur Koestler e Manés Sperber, enquanto outros só o fizeram após o despertar pós stalinista, nos anos 1950,  como o poeta Adam Wasyk.
Por sua vez, Trotski se opôs desde o início ao “comunismo num único país” e ao neonacionalismo soviético, e manteve em sua integridade a ideia internacionalista.
Em outros lugares, bom numero de intelectuais judeu-gentios apoderou-se da crítica marxista para abrir novos horizontes, mas sem alimentar alguma ilusão sobre a revolução. Os seguintes pensadores tornaram-se os metamarxistas mais fecundos: Ernst Bloch, Hans Jonas, Walter Benjamim, Theodor Adorno, Max Horkheimer, e Herbert Marcuse.
Também muitos judeus-gentios que  estiveram na ponta do anti- stalinismo, foram as vítimas do neonacionalismo e, depois, do anti-semitismo stalinista camuflado em luta contra o cosmopolitismo.
A esperança messiânica ressurge com a grande crise do capitalismo dos anos 1930, e com as ondas revolucionárias que conduziram à guerra civil espanhola e à Frente Popular na França. Ela se amplia no decorrer da Segunda Guerra Mundial, quando primeiramente a resistência da URSS ao nazismo, depois sua marcha vitoriosa e enfim seu triunfo pareceram  anunciar a era do socialismo universal. Depois da queda do Terceiro Reich, muitos judeus-gentios europeus sentiram grande reconhecimento pela URSS, que havia libertado Auschwitz.
Depositaram novamente nela uma esperança infinita e permaneceram durante muito tempo cegos ao anti-sernitismo dos últimos anos do reinado de Stalin.
Nos anos 1960, com o trotskismo ou o maoísrno, inúmeros judeus-gentios, sobretudo franceses, reencontraram, por sua vez, a esperança messiânica. Essa nova onda se dispersa por todos os cantos do mundo, ressuscitando a religião revolucionária, até que o colapso do maoísrno na China e em seguida a implosão da União Soviética aniquilassem essa esperança infinita.
O século XX assistiu à grande falência do internacionalismo. Os nacionalismos impetuosos de 1914 haviam desintegrado a Segunda Internacional Socialista. A Terceira Internacional transforma-se em satélite da URSS e esta promove de 1941 a 1945, uma "grande guerra patriótica" enquanto, em todos os cantos, os partidos comunistas brandiam as bandeiras de suas nações. Em 1989, os nacionalismos dos povos da União Soviética desintegraram-na.
O internacionalismo socialista foi um dos polos do mundo judaico-gentílico. Sob o impulso do neomessianismo, os judeus alimentaram os grandes  sonhos emancipadores da humanidade e carregaram em si não a esperança em outro mundo celeste, mas a aspiração, amiúde ardente, a um mundo terrestre diferente. Contribuíram para os sonhos e as realidades de nosso devir.
Marx, com seu pensamento inovador, crítico, ousado e original, revolucionou a concepção da história e da sociedade, e foi um  renovador, junto com Freud, de concepções antropológicas, históricas e sociológicas. O neomessianismo de Marx gerou uma mística revolucionária.
Entre tantas análises e descobertas, Marx compreendeu que a própria natureza humana é Histórica, o homem não nasceu ambicioso, egoísta, individualista e que no passado as pessoas se organizaram em comunidades para a produção de autoconsumo, de autossubsistência sem limites, até com sobras e excedentes, mas sem o mercado, com dependências pessoais fortes, interação e sociabilidade, que lhes faziam ter preocupação com o outro pois dele dependia também a satisfação de suas necessidades, apesar de que com outras comunidades houvesse um relacionamento indiferente ou agressivo e muitas vezes colonialista em prol do sustento e da manutenção e garantia da sua comunidade em particular.
No inicio do século XX em diante, uma parte do pensamento judaico-gentílico tentou abrir o marxismo ou, considerando-se suas insuficiências ou até mesmo suas carências, ultrapassá-lo, integrando-o.  Lukács, que em sua juventude reabriu o marxismo para a filosofia, submerge num dogmatismo stalinista antes de redescobrir no último instante uma filosofia da complexidade. Lucien Goldman e Joseph Cabel praticam um marxismo aberto. É sobretudo a Escola de Frankfurt - animada pelos judeus- gentios Theodor Adorno e Max Horkheimer - que renova o pensamento crítico de Marx, mas doravante privado do messianismo da revolução.  Ernst Bloch tenta reencontrar o "Princípio esperança", mas também ele sem certeza messiânica. Walter Benjamin descobre a importância e os problemas da "reprodução mecanizada", e especialmente inverte em seu contrário o otimismo da filosofia da história.
Benjamim compreende que  "civilização"  e " "barbárie" são termos não antinômicos, mas complementares. Seu desencantamento com a promessa revolucionária e sua intuição da catástrofe próxima, fazem-no ver o progresso não mais como uma marcha ascendente, mas como uma queda na direção do futuro, segundo a imagem do anjo de Klee: "O anjo do progresso que nos leva para a queda". Ele captou a regressão inscrita no progresso técnico e econômico. Para ele, a revolução socialista deveria agir como um freio de alarme instantâneo que detém o trem em sua corrida ensandecida na direção da catástrofe do planeta e do esmagamento do ser humano pela barbárie, pela escravidão e pela condenação à morte dos vencidos. (morte de fome e sede).


Quando um Grão-Mestre se Torna um Líder

    
O título, Grão-Mestre, pode ser traduzido como grande mestre. Para alcançar esse nível é preciso ter, como perfil, uma ilibada carreira maçônica, pavimentada pelo estudo contínuo e profundo de nossa história e de nossos ensinamentos. A ascensão à este cargo, é tido após uma profunda e pormenorizada pesquisa de perfil maçônico e profano. Além disso, é necessário saber ser líder.
A liderança deve equilibrar três dimensões: resultados de projetos e melhorias, atenção aos irmãos e a flexibilidade para inovar. Existem três tipos de líderes: os que melhoram as coisas, os que pioram as coisas e os encarregados que não fazem nem uma coisa nem outra.

                                                                                                                (imagem proveniente de Google Images)

Quando se segue uma Via Espiritual ou se é admitido numa Ordem de tipo esotérico-iniciática tal como a Maçonaria se define, é habitual o novo membro efetuar um juramento no momento da sua admissão ou durante a execução de uma cerimônia de cariz iniciático, no qual se assume um determinado compromisso. E somente após a realização desse juramento é que o neófito é recebido e integrado no seio da respetiva Ordem. 
No caso que irei abordar e que será sobre a Maçonaria, é natural quando se fala em compromisso maçônico também se abordar simbiocamente o juramento maçônico. Tanto um como o outro são indissociáveis, porque um obriga ao outro e o mesmo, reciprocamente.

Durante o desenrolar de uma Iniciação Maçônica, no seu “ponto alto”, o neófito concorda em submeter-se a um juramento onde assume como compromisso de honra, aceitar e respeitar as Regras, Usos e Costumes da Maçonaria bem como as regras e leis do país onde se encontra sediada a Obediência Maçônica e a respetiva Loja da qual irá fazer parte. Nomeadamente e de entre os vários princípios maçônicos que se aceitam cumprir, os mais conhecidos pelo mundo profano são a Fraternidade entre todos os Irmãos, a prossecução do espírito da  Liberdade na Sociedade Civil e o sentimento de Igualdade entre todos.
Assim, assumir-se um compromisso com a Ordem Maçônica é assumir-se um compromisso pela Ordem e a bem da OrdemIsto é que é o tão  propalado estar à Ordem.
 E estar-se é mais do que o ser-se! E digo isto porque qualquer um pode “o ser, mas “estar apenas se encontra ao alcance de poucos… 
Estar implica sacrifício, comprometimento, trabalho, prática e estudo, e isto de forma incansável e não perene. 
Por isto é que assumir um compromisso deste gênero e com a relevância que este tem, nunca deverá ser feito de forma leviana; o mesmo se passa com os outros compromissos que se assumem durante a nossa vida profana e que também não devem ser assumidos se não estivermos capacitados para os cumprir. 
-Há que se ter a noção daquilo a que nos propomos a fazer-. 
 Por isso é que o compromisso maçônico é feito com a nossa Palavra e sobre a nossa HonraDesvirtuar estas duas qualidades, é desvirtuar a própria Maçonaria. 
Da mesma forma que, se não respeitarmos a nossa palavra e não mantivermos a nossa dignidade na sociedade civil, também não somos dignos de nela estarmos integrados e sofreremos as consequências ou punições que forem legitimadas pelas leis do país. 
De certa maneira, a Maçonaria atua e se assemelha com a sociedade profana, com as suas leis e os seus costumes, competindo aos maçons respeitar a sua aplicação e observar o seu cumprimento. É mais que um dever ou obrigação tal. É a assunção que assim o deve ser e nada mais! 
Porque assim tem funcionado há quase três séculos e o deverá continuar a ser noutros tantos…

Aliás, ainda na Maçonaria contemporânea se encontra algo que dificilmente se encontra na profanidade atualmente, ou seja, o valor da palavra sobre a escrita. O que não deixa de ser curioso dados os tempos que correm. 
Nesta Augusta Ordem, ainda hoje aquilo que um maçom afirma tem um valor tal, que se poderá assumir que não necessitará de ser escrito para que o seja considerado; basta se dizer, que assim o será. 
O tal “contrato verbal” na Maçonaria ainda hoje tem lugar. E somente pessoas de bons costumes o usam fazer, pois a sua honra e a sua conduta serão sempre os seus melhores avalistas.

Não obstante, o compromisso maçônico ao ser albergado por um juramento, obriga a que quem se submete a ele, o faça de forma permanente. Não se jura somente aquilo que gostamos ou somente aquilo que nos dá jeito cumprir. 
Quando entramos para a Maçonaria sabemos que, tal como noutra associação ou organização qualquer, existem regras e deveres para cumprir; pelo que o cooptado compromete-se em respeitar integralmente todas as regras e deveres que existem na sua Obediência. E quem age assim, fá-lo porque decidiu livremente que o quer fazer e não porque alguém a tal o obriga.

E uma vez que a adesão à Maçonaria se faz por vontade própria, aborrece-me bastante (para não ser mais acutilante ainda…) assistir ou ter conhecimento de casos em que este juramento foi atraiçoado e em que os compromissos assumidos perante todos, foram deliberadamente e conscientemente esquecidos.

Será que quem age desta forma, poderá ser  reconhecido como um verdadeiro maçom? 
Ou será apenas gente que simplesmente enverga um avental e um par de luvas brancas nas sessões da sua Loja? 
Em alguns casos destes, creio que foram pessoas que entraram na Maçonaria, mas que por sua vez, a Maçonaria certamente não entrou neles…

Algumas vezes, infelizmente, isto pode acontecer porque quem vem para a Maçonaria vem “desavisado”, isto é, pouco conhece ou percebe o que é a Maçonaria e o que ela representa, “vem ao escuro” por assim dizer, e caberá a quem apadrinha uma candidatura maçônica, informar ou retirar algumas dúvidas que se ponham ao seu futuro afilhado e consequente irmão. Em última instância, devem os responsáveis pelas inquirições que decorrem no âmbito de um processo de candidatura maçônica, no momento das entrevistas aos candidatos, terem a sensibilidade para se aperceberem do desconhecimento do entrevistado sobre os princípios e causas que movem os maçons e sobre a Ordem da qual este manifesta a vontade de vir a fazer parte, e nesse caso, serem os próprios inquiridores nessas alturas em concreto, a efetuar o trabalho que deveria ter sido feito anteriormente pelo proponente da referida candidatura, no que toca a esclarecer o profano e a fornecer-lhe as informações que lhe sejam necessárias para que esta (possível) adesão possa decorrer sem sobressaltos, nem que esta admissão venha a causar problemas (previsíveis!) no futuro, seja para a respetiva Loja ou até mesmo para a Obediência que porventura o vier a acolher.

Todavia, normalmente no momento do juramento maçônico, o neófito fá-lo sem saber/compreender o que estará a jurar e para o que estará a jurar, pois o véu que o cobre  na sua Iniciação é de tal densidade que  muitas vezes somente passado algum tempo é possível se perceber o juramento que se fez e o compromisso que se tomou, e que por vezes pode ser diferente daquilo que são as crenças pessoais e respetiva forma de estar de cada um ou até mesmo porque se acreditava que se “vinha para uma coisa e afinal se encontrou outra”…
E o trabalho que um padrinho deve desenvolver com o seu afilhado durante a formação deste tanto como a responsabilidade que assumiu perante o afilhado e a Ordem ao subscrever a candidatura dele, serão fulcrais neste tipo de situação concreta. O padrinho (pelo dever moral) e a Loja em si (porque é um dever da loja acompanhar e tentar integrar corretamente os Irmãos nos valores maçônicos) devem tentar perceber o motivo pelo qual alguém se “distancia” da Maçonaria. E apenas ulteriormente, se for caso disso, devem aconselhar a um possível adormecimento desse irmão por não ser do seu intento continuar a pertencer a algo com o qual não se identifique mais. 
Pelo que desta forma se prevenirão certos casos e eventuais “lavagens de roupa suja” ou fugas de informação que poderão surgir, as quais na sua maioria nem sequer são informações plausíveis nem verídicas sequer, pelo que apenas posso especular que estas ocorrências se devem a  paixões e vícios mal combatidos e nem sequer evitados… E como se costuma dizer, “o mal corta-se pela raiz”, pelo que “as desculpas devem evitar-se”…

E uma vez que quem entra na Maçonaria tem de ter a noção que as suas atitudes já não lhe dirão respeito apenas a si, mas a todos os integrantes desta Augusta Ordem, a conduta de um maçom estará sempre sob um fino crivo pela sociedade e sempre debaixo do escrutínio de todos, seja de fora ou internamente. - Porque um, pode sempre e a qualquer momento, “por em xeque” os demais -. E ter esta noção e assumir esta responsabilidade é algo que deve ser intrínseco desde os primeiros momentos de vida maçônicos. 
Já não é o Nuno, o X ou o Y  que fazem isto ou aquilo, serão os maçons Nuno, X ou Y que o fazem… Logo é a Maçonaria na sua generalidade que será atentada com a má conduta que os seus membros possam ter, para além da Ordem poder vir a ser acusada de cumplicidade pelos atos efetuados pelos seus membros.

 Assumir que a nossa forma de estar e agir condiciona e se reflete na Maçonaria é um dos maiores compromissos que os maçons poderão tomar. Tanto que o dever de honrar a nossa Obediência, a nossa Loja e a Maçonaria em geral, deve permanentemente se encontrar  na mente de todos os maçons. 
Um juramento implica obrigações, e jurar ser-se maçom, mas fundamentalmente ser-se reconhecido maçom pelos nossos iguais,  implica que sejamos maçons a “tempo inteiro” e não apenas às segundas-feiras ou quintas-feiras de manhã ou à noite, ou quando nos dará mais jeito, é sempre! 
Sermos maçons, não é quando visitamos a loja e usamos os respetivos paramentos. Não basta envergarmos um avental, calçar umas luvas brancas e fazer uns “gestos estranhos”, é muito mais que isso! É cumprir preceitos, rituais e trabalhar em prol da Ordem. 
E se não estivermos prontos para tal, de nada valerão os juramentos que fizermos, porque nunca nos iremos comprometer com nada na realidade e em último caso, nem sequer  reconhecidos como tal seremos. 
E a palavra persistirá perdida