segunda-feira, novembro 17, 2014

Posted: 17 Nov 2014 04:05 AM PST
(imagem proveniente de Google Images)
 
Falarmos de Alma Humana é abordarmos algo quase que inefável e insensorial, o que pode parecer à primeira vista como algo de paradoxal.
Digo inefável, porque como pouco a conhecemos, quase não a conseguimos “pronunciar” na sua especificidade ou a definir em profundidade. E também afirmo que a alma pode ser considerada como algo insensorial, porque é algo que não é mensurável e assumo que não conheço alguém que tenha afirmado que a tenha sentido, num sentido sensorial e não num sentido metafísico.
Creio que a alma humana é a nossa essência, logo à partida algo que será imutável. Mas na realidade a mudança pode existir. Tanto devido a fatores externos como a fatores internos.
A nossa educação, a nossa formação acadêmica e profissional, e principalmente, a nossa formação de cariz “social” (a forma como nos relacionamos com os outros), será quiçá o mais importante agente de mudança.
É através da nossa experiência de vida, das nossas vivências, que somos o que “somos”. E ao sermos “algo”, isso é o reflexo do nosso estado de alma. E como esse estado está em permanente mudança (fruto também das nossas alterações de humor), também Nós mudamos. É essa alteração/evolução que importa à reflexão. 
Victor Hugo (26/02/1802-22/05/1885), maçom, escritor e pensador francês, ao afirmar que “existe algo maior que o céu: a alma humana” disse a verdade. Não existe mesmo nada maior que ela.
Nós próprios somos maiores que tudo! E somos mesmo! Somos “maiores” que as nossas criações, as nossas suposições e que as nossas opiniões.
As nossas crenças, as nossas atitudes dependem somente de nósIndependentemente do meio que nos rodeia, que também nos poderá ajudar a modelar o nosso carácter; apenas a nossa vontade, os nossos pensamentos e ideias é que serão os nossos decisores comportamentais – aquilo que pensamos é realmente o que nos define!-  e numa análise mais estrita, as nossas crenças e correspondentes atitudes serão os nossos juízes morais. E mesmo que consideremos que dominemos a razão, se ela não se enquadrar no que é definido pelo bom-senso e pelo que é o senso comum do local onde nos encontremos – pois é possível a variação do que é assumido como a lei comum mediante o lugar onde nos encontremos…- nada disso nos valhará. Mas mesmo assim, se considerarmos que deteremos a razão sobre algo, se nos quisermos manter íntegros nessa tomada de posição (e se realmente a mesma seja a verdadeira e correta), teremos sempre de ser responsáveis e humildes por agirmos dessa forma independentemente das consequências que de aí poderão advir, sejam elas positivas ou em alguns casos mesmo, infelizmente, nefastas para quem age desta maneira.
Porém, também a mudança de opinião pode acontecer, seja para não por em perigo a nossa integridade física ou de outrem (nos casos em que tal pode suceder…), e nesses casos a mudança é apenas externa, mantendo-se a nossa opinião internamente, o que será refletido no nosso estado de alma(nessa altura poderemos ter alguns comportamentos que poderão ser considerados como hipócritas e/ou cínicos, resultantes das atitudes que tomemos); ou a alteração da nossa opinião também poder suceder por de facto constatarmos que realmente nos encontramos errados nas nossas assumpções e/ou de que não era de todo a mais correta a nossa opinião. E assumir a mudança nestes casos, é assumir uma verticalidade de carácter que nos permitirá nivelar pelos demais.
E neste caso, considero que a nossa alma quase se poderia mutar, uma vez que a nossa opinião e forma de ver algo evoluiu. O que poderá parecer irreal, mas se o pensamento mudou e em consonância com ele passarmos a agir de outra forma, porque não considerar que existiu também uma mudança na nossa alma, uma vez que houve uma alteração no nosso íntimo, do nosso ser?
Aliás, acredito que quem não for capaz de mudar também não me parece que tenha uma grande capacidade para aprender. Só os ignorantes não são capazes de mudar…
 Será que a alma permanecerá inabalável na sua “estrutura” e não ser passível de mudança, e o restante ser possível de ser alterado? 
Pois, creio que tal assim pode acontecer. A nossa alma é a nossa essência.
Logo, mesmo que aconteçam várias transformações, e mesmo sabendo que a própria matéria de que somos feitos se pode transformar(o nosso corpo sofre mutações, evoluções ao longo da nossa vida) sem que a alma sofra alterações com essas mudanças, acredito que a mesma registará algumas “marcas” que serão originadas pela  alteração da nossa consciência, fruto da sucessão de  determinados acontecimentos que podem alterar a nossa forma de pensar e de estar, ao longo do nosso crescimento e tempo de vida. Por isso tão facilmente se fala em “estados de alma”.  Acredito que esses estados apesar de passageiros em alguns casos, fiquem registados no nosso ADN e que assim dessa forma, fiquem “registados” na nossa alma e que esses mesmos estados, determinem o nosso comportamento. Até o conceito de Alma, é o de algo que nos anima, de algo que nos define, de algo que nos gere… Conceito que subscrevo na íntegra.
Ou seja, acredito que por muito que tudo mude - porque para mim tudo é possível de mudar, de ser alterado, de evoluir, de ser passível de alcançar novos horizontes ou adquirir novos objetivos - a alma permanecerá com a sua “integridade” inalterada. Pois é a nossa alma que nos caracteriza como somos e que nos difere dos restantes seres humanos. É a alma que nos cria a nossa identidade pessoal e confere aquilo que se pode designar por humanismo. Sem ela seríamos apenas mais uns, na grande cadeia animal…
Todavia e abordando também um pouco sobre a forma de como a nossa Alma interage no mundo através do nossa matéria/corpo e ideário/pensamento/mente, deparamos que quase tudo o que existe, depende ou se centra exclusivamente no Homem e/ou na sua dependência. A tecnologia foi criada pelo Homem para o servir, as estradas existem para que a humanidade possa estar ligada entre si, as habitações existem para que nos possamos abrigar, as comunicações existem para que seja possível estarmos todos conetados, etc etc… Ou seja, tudo advém do Homem, para o HomemDa sua matéria, da sua mente para o seu espírito, para a sua Alma 
E após esta abordagem que fiz acima, poderá existir ou se confirmar algum interesse da Maçonaria pela “alma” dos seus obreiros?
Naturalmente que sim! Não num sentido religioso, mas antes, num sentido metafísico.
A Maçonaria requer a mudança aos seus membros. A sua mudança pessoal, a sua evolução de consciência (do pensamento), a sua progressão enquanto pessoa. De aí advir a vontade de aprimoramento/aperfeiçoamento moral e espiritual dos maçons.
Tanto que é usual se afirmar “que à Maçonaria não interessa gente perfeita. Antes sim, gente que se quer aperfeiçoar”.  Logo, gente que deseja evoluir e mudar de estado de alma. Mudar algo que à partida se poderia levar a supor como sendo imutável.
 Interessa à Maçonaria ter nos seus quadros, gente que assumiu os seus defeitos e que os deseja “anular”, e que acima de tudo, queira potenciar as suas qualidades, para si e em prol dos outros que o rodeiam. Por isso, a Maçonaria lhes pede, ou mais claramente exige, que sejam honestos, íntegros e de carácter pobro. E nesse caso, será através da sua alma, que lhes poderá ser proporcionado tal comportamento; gerindo esta assim, os  seus pensamentos, as suas atitudes e a sua conduta no mundo profano. Desta forma, a alma humana tem um interesse particular para a Maçonaria, não por aquilo que ela será para os seus membros, mas por aquilo que ela poderá representar para esta Augusta Ordem, como sendo modeladora de carácteres.
Poderemos então constatar que existe algo maior que a alma humana?!
Quanto a mim, não! Já o mano Victor Hugo tinha a mesma opinião…

Nenhum comentário:

Postar um comentário