sábado, dezembro 14, 2013




Por uma particularidade que não foi cogitada, viu-se a Loja Mestre Affonso Domingues numa situação inusitada. O seu Venerável Mestre por razões pessoais, vê-se compelido a ausentar-se por um período de pelo menos 5 sessões consecutivas.

Esta ausência, embora não deixando a Loja sem Venerável de direito, deixou-a sem Venerável de fato.

Se esta fosse uma associação qualquer a decisão seria de ir adiando o que fosse adiável, tornar adiável tudo que o não sendo pudesse sem grande prejuízo ser adiado e consequentemente fazer apenas aquilo que fosse mesmo premente e urgente.

Mas uma Loja maçônica não é uma associação qualquer. Numa Loja não se adia, faz-se, não se protela decide-se, e por isso desengane-se o leitor se pensou que no impedimento do Venerável os maçons da Loja Mestre Affonso Domingues iriam desanimar e pausar o seu trabalho.

Um Maçom pousa as suas ferramentas apenas e quando é chamado a fazer a derradeira viagem, mas sobre isso foi já escrito nos múltiplos textos colocados  In Memoriam, logo uma adversidade como a que ocorre atualmente apenas pode ser resolvida à maneira dos Maçons ou seja com trabalho.

Uma das belezas da Maçonaria, e estou certo que isto já foi por aqui abordado num ou noutro ou mesmo mais textos, é que não é preciso inventar nada. Tudo está previsto, quer pelos regulamentos, quer pelos Landmarks, quer pela jurisprudência, quer pelo saber acumulado dos mais antigos. Aliás numa das muitas cerimônias que realizamos, o Grão Mestre ao entregar o regulamento geral ao recipiendário do mesmo afirma com a natural convicção de quem sabe que naquele regulamento se encontrá solução para todo e qualquer problema que possa surgir num Loja.

Ao anuncio de possível impossibilidade feito pelo ainda então Venerável Mestre eleito, respondeu a Loja com " isso não é um problema pois se ainda não é mais que uma possibilidade não pode ser um problema, e mais se porventura se vier a concretizar também ai não será um problema porque existem soluções, será quanto muito um desafio".

O cenário de ausência, como disse acima, concretizou-se. Ato continuo a solução preconizada no regulamento geral foi aplicada ipsis verbis, gerando-se aqui uma oportunidade de ver se de facto o que o regulamento estipula é passível de ser aplicado sem problemas ou se seria uma solução apenas teórica e logo sem aplicação prática. Nada melhor que aplicar teorias na pratica para ver se o "teorizador" era homem de tino ou não !

E não é que funciona mesmo ! Sem tirar nem por. Tal qual lá está no artigo correspondente que regula a ausência de Venerável Mestre.

Tiramos daqui uma lição. Os regulamentos quando bem feitos servem de facto para resolver as coisas.

Mas uma Loja não é só regulamentos. A adversidade fez tocar a reunir ! 

E de repente Irmãos que andavam um pouco afastados chegaram-se mais para perto. Vieram para ajudar, com a sua presença mas não só, com as suas ideias, com as suas formas de ver e de fazer.

E tiramos mais uma lição, a da disponibilidade.

Mas não foi só. 

Quando estudante os meus pais bastas vezes me acusavam de ter as matérias "coladas com cuspo", ou seja estavam na memória efémera e como tal desapareciam rapidamente.

Na Loja Mestre Affonso Domingues, e como em muitos textos foi tratado, sempre se privilegiou o ensino, a formação, a proficiência e como tal houve sempre empenho na transmissão de conhecimentos. 

Esta transmissão sempre foi feita de maneira a que a acusação acima não pudesse ser feita, muitas vezes sem que os próprios destinatários percebessem bem a insistência e a repetição.

E hoje na adversidade naturalmente quem é chamado a fazer aparece e faz, como se fosse na ultima sessão que tivesse feito ou desempenhado o cargo pela ultima vez. Na verdade para alguns já fazia mais de uma década que não desempenhavam similares funções.

A terceira lição aparece aqui. O ensino estruturado, a proficiência, a insistência na aprendizagem, a transmissão geraram que quem aprendeu interiorizou os conceitos, tornou-os seus.

Aqui permito-me incluir também quem foi chamado este ano pela primeira vez a desempenhar funções, porque tem sido um prazer ver a geração importante, não porque o sejam enquanto indivíduos, mas porque são a geração que tomará os destinos da Loja dentro de muito pouco tempo, a assumir-se e a exceder-se sessão a sessão na excelência dos seus desempenhos

Uma Loja, que tenha trabalhado ao longo dos anos na construção dos seus alicerces, das suas bases tem melhores possibilidades de atravessar uma dificuldade, e isso constata-se. Este tipo de trabalho não é na maior parte das vezes atrativo. Não trás visibilidade externa, não faz os obreiros sobressaírem no meio dos outros como sendo mais performantes, ou mais presentes ou mais desejados para outros projetos. Mas deixa-nos mais preparados.

E como a Maçonaria não se faz, não se mostra, não se exibe, porque apenas se vive então uma melhor preparação dos Irmãos faz com cada um possa vive-la de forma mais plena e gratificante e assim todos beneficiamos.

Hoje quando saí da sessão e retornei a casa, apesar de cansado e de estar em estado de "matutanço" ( um estado que o Rui Bandeira já me atribuiu várias vezes) senti que tinha valido a pena. Tinha valido a pena porfiar ao longo destes anos todos,  não sozinho como é evidente. Este porfiar permite que cada vez mais me veja como dispensável ( porque de indispensáveis está o cemitério cheio) e isso para um " marreta" é bom. Muito bom. Significa duas coisas, que o caminho tem estado certo, mas mais importante é que um novo desafio se começa a formar. Se o que sei já está passado, então tenho que ir aprender mais coisas, pensar em novas formas, e sobretudo em novos conteúdos para poder continuar a ir passando conhecimento.

José Ruah

Nenhum comentário:

Postar um comentário