sábado, abril 04, 2015

ORIGENS DO RITO ESCOCÊS ANTIGO E ACEITO



Simplificando uma história cheia de detalhes e nomes, partiremos do ano de 1758 na França, com a fundação em Paris de um Conselho de Imperadores do Oriente e Ocidente, estabelecendo um sistema de 25 graus, conhecido como Rito de Perfeição ou Rito Heredon.

Em 1761, este Conselho outorgou uma Carta Patente de Grande Inspetor a Etienne Morin, que possibilitava a ele outorgar graus a outros irmãos, visando disseminar o Rito.

Chegando à América, Morin encontrou uma Maçonaria fraca e desestruturada, iniciando a disseminação do Rito, outorgando o titulo de Grande Inspetor Geral Adjunto a 16 outros irmãos, que procederam da mesma forma, outorgando títulos a outros maçons, fazendo o Rito prosperar.

Entre eles estavam o Conde Grasse Tilly e seu sogro Delahogue que residiam em São Domingos (Haiti) e, já no ano de 1793 mudaram-se para os Estados Unidos, fixando-se em Charleston, Carolina do Sul, onde fundaram a Loja La Candeur nº 12 em 1795.

Em 31/05/1801, juntos, Grasse Tilly e Delahogue, franceses; Frederich Dalcho e Abrahan Alexander, ingleses; John Michel e Thomas Bartholomew Bowen, irlandeses; Moses Clara Levy, polonês; Emmanuel De La Motta, dinamarquês; Israel De Lieben, checoslocavo e; James Moultrie, único americano, criaram o 1º Supremo Conselho do Mundo e um Rito, utilizaram os 25 graus do Rito Heredon e acrescentaram mais 8 graus, num total de 33 graus, nascendo assim o RITO ESCOCÊS ANTIGO E ACEITO.

Todavia, este Supremo Conselho trabalhou nos Graus Superiores do 4º ao 33º, não se envolvendo com os três primeiros graus simbólicos.

Os fundadores do REAA, como sabiam que não teriam crédito no mundo maçônico, pois eram apenas dez irmãos, quase todos estrangeiros, a exceção de James Moultrie, inventaram uma estória que atualmente está bem esclarecida a todos os maçons estudiosos acerca da origem do REAA e, Grandes Inspetores Gerais da Ordem, sem no entanto ter ocorrido.

Cerca de um ano e meio após a fundação do REAA, Dalcho enviou uma circular a todas as Lojas e demais Corpos Maçônicos de Graus Superiores do Mundo, informando que haviam acrescentado mais 8 graus ao sistema até então conhecido e, que este Supremo Conselho havia sido organizado de conformidade com a Constituição datada de 01/05/1786, compilada e aprovada pelo Rei Frederico II da Prússia, o Grande, fazendo o mundo maçônico crer que este Supremo Conselho existisse desde aquela data, dando assim credibilidade ao novo sistema.

Frederico da Prússia, além de irmão, era político, pessoa que inspirava confiança, sendo respeitado, pois as forças prussianas lutaram pela independência dos Estados Unidos.

Nos três primeiros anos de vida, o REAA permaneceu sem ritual próprio. Os graus simbólicos na época conhecidos como maçonaria azul, foram os da ritualística norte americana, eram administrados pelas Grandes Lojas Americanas que trabalhavam no Rito York e, somente em 1804, com a criação do Supremo Conselho de França, segundo do mundo, foi confeccionado o primeiro ritual dos Graus simbólicos, o “Guide des Maçons Écossais”. (Guia de Maçons Escoceses).

Assim nasceu o Rito Escocês Antigo e Aceito.

Parabéns a todos os homens livres e de bons costumes que labutam em seus canteiros.


 BIBLIOGRAFIA

Castellani, José “O Rito Escocês Antigo e Aceito – Doutrina e Prática Editora Maçônica “A Trolha” Ltda – Londrina – l988.

Artigos da Oficina de Restauração do Rito Escocês Antigo e Aceito

Nenhum comentário:

Postar um comentário