segunda-feira, outubro 27, 2014

O Uso do Celular e/ou outras tecnologias dentro de uma Loja Maçônica
Ir. Edson de Souza Couto[1]



            A Maçonaria é uma instituição progressista, evolutiva, filosófica, filantrópica que opera pela iniciação a transformação do indivíduo comum em algo além-do-homem (Übermensch) na expressão de Nietzsche em sua obra “assim falou Zaratustra”.  Obviamente não é a Maçonaria que faz a transformação do homem, ela é o espaço, ambiente adequado para este processo. Através das orientações dos mestres, dos ritos e dos rituais o maçom tem as ferramentas ou os instrumentos de trabalho necessários ao auto aperfeiçoamento, ao auto conhecimento e à reforma íntima, que só pode ser efetivada por ele mesmo. Até aqui nenhuma novidade...
            Contudo o ambiente propício, o terreno fértil para realização desta “alquimia” ou deste processo alquímico, é a Loja (do sânscrito Loka = mundo). A Loja deve ser o “atanor”, o laboratório onde a experiência ou troca de experiências configura o universo em movimento. Este ambiente tomado do sagrado que lhe é investido na consagração, o respeito dado e conferido pelos irmãos e ornamentado dos símbolos e alegorias,  representações profundas da consciência superior, faz com que cada indivíduo ali presente construa uma egrégora, um campo energético individual, que somado com as dos irmãos lado a lado, ombro a ombro, forme um verdadeiro dínamo gerador de um consciente coletivo poderoso, curativo capaz de dissipar todas as forças contrárias do mundo profano. Por esta razão as Sessões Maçônicas nos fazem tanto bem. Quando faltamos alguma sessão sentimos um vazio, uma perda de energia inexplicável, mas que é dizimada no primeiro encontro com os irmãos em outra sessão. Pelo menos deveria ser assim...
            Sendo então a Loja um ambiente dotado de sacralidade, devidamente harmonizado para produzir este campo energético, resta a obviedade de que qualquer elemento estranho a esta realidade conduza a dispersão destas forças ou uma interferência maligna ao clima que se propõe obter. Todos sabem que relógios, determinados tipos de metais são recomendados ficarem nos passos perdidos, pois podem prejudicar o bom ambiente da Loja. Casos já foram registrados de relógios pararem de funcionar ou ficarem inutilizados depois  de uma sessão maçônica, assim como metais oxidarem ou perderem a coloração.
            Devemos lembrar a Loja é catalizadora e amplificadora de energias e que alguns aparelhos eletrônicos produzem radiação nociva ao homem, tanto isto é verdade que vários cientistas se dedicaram ao estudo destes fenômenos, criando inclusive uma ciência chamada Radiônica ou Radiestesia, onde foram desenvolvidos gráficos radiestésicos que tinham a finalidade de diminuir os efeitos nocivos destes aparelhos. Um deles é conhecido como gráfico SCAB ou Triângulo de André-Felipe. Veja a imagem a seguir:

            Algumas Lojas que se valem de equipamento elétrico-eletrônico para o uso do Mestre de Harmonia, como aparelhos de som, desktop ou laptop (também conhecidos como notebook) ou mesmo alguns irmãos que usam tablets ou smartphones para leitura dos “Rituais Digitais”, imprimem o gráfico acima para reduzir os efeitos destas radiações.
            Não posso negar que a Maçonaria é evolutiva, não posso negar que a tecnologia veio para facilitar a vida do homem, não posso negar que algumas Lojas são totalmente informatizadas, deste o controle das luzes, temperatura, música e outros elementos como telas retráteis, data-shows, etc.
            Não posso negar que algumas passagens ritualísticas foram alteradas em função disto, como a “Cerimônia do Fogo”, também conhecida como acendimentos das estrelas ou luzes, onde as velas foram substituídas por lâmpadas que emitam chamas em movimento ou até mesmo lâmpadas comuns.  Mas a pergunta é: A Maçonaria não se baseia na Tradição e nos Antigos Costumes?
            Confesso que em meu coração existe uma profunda incerteza. Creio que estamos confundindo evolução mental, evolução espiritual, evolução material com evolução tecnológica. A Loja Maçônica e,  por conseguinte,  tudo que nela se pratica é sacralizado, o objetivo deste espaço místico é nos afastar do mundo profano, para que num ambiente harmonizado previamente, possamos entrar em contato com nosso interior ( VITRIOL) e façamos a reforma daquilo que precisa ser mudado.
            É um espaço e um tempo fora do espaço/tempo, onde tudo do mundo para por algumas horas, e longe dos olhares e ouvidos mundanos, profanos, buscamos nossa essência primeira, nossa fonte real de saber, onde pela meditação, pelo silencio da mente e do coração, escutamos a voz do G.A.D.U.,  diretamente no nosso espírito. E assim em paz conosco apreciamos os trabalhos dos irmãos que abrilhantam a Oficina com seus conhecimentos, e com a Vigilância dos Mestres e com as Instruções do Venerável Mestre podemos nortear nossa jornada, nosso Caminho de Compostela, pelas vias seguras do saber e da prática das virtudes.
            Não sou contra a tecnologia, mas assim como o celular é proibido por Lei dentro da sala de aula (Lei Estadual 12.884/2008), por prejudicar a atenção dos alunos, também em nossas Sessões é desaconselhável pelas mesmas razões e outras mais já aventadas. Devemos nos manter próximos de nossas Tradições, pois elas têm um propósito relevante para nosso desenvolvimento, contudo devemos tolerar aqueles casos onde o porte do celular (pelo menos em modo silencioso) deva acontecer, pois como sabemos temos alguns irmãos que exercem atividades profissionais de extrema importância na rapidez de atendimento como médicos, juízes, militares, policiais e outros.
            Por fim deixo a seguinte mensagem: “Tudo é possível quando o bem é maior que o mal, que a tolerância seja a justa medida, que o amor seja nossa ferramenta, que a confiança seja o nosso juízo, que a bondade seja nosso motor, que a felicidade seja nosso destino.” Edson Couto/2014.  
REFERÊNCIAS:
BRANCO, Samuel Murgel. Energia e Meio Ambiente, Editora Moderna, São Paulo, 2001.
CHANDU, Jack F. Radiestesia, Manual Prático. Ed. Hemus, São Paulo 1984.
LUZY, Antoine. Radiesthésie Moderne, Théorie et Pratique Complètement Expliquées, 38ed. Éditions Dangles, Paris, 1943.
MENDONÇA, Sávio. A Arte de Curar Pela Radiestesia. Ed. Pensamento, São Paulo, 1980.
NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. Crepúsculo dos Ídolos, Golden Books/DPL, São Paulo, 2009.
SAEVARIUS, Dr. E. Manual Teórico e Prático de Radiestesia, Ed. Pensamento, São Paulo, 1990.




[1] Professor de História e Filosofia, Pesquisador Ocultista, Mestre Maçom membro da A.R.L.S. Glória dos Buscadores do Templo da Luz nº 01, Grão—Mestre da GLRRS, em seu 3º Mandato consecutivo, Vice-Presidente da Confederação da Maçonaria Regular do Brasil, Vice-Presidente para América do Sul-Atlântico da Society Of  The Grand Lodges In Alliance, 2º Mandato consecutivo. Supremo Grande Comendador do Grau 33º do Supremo Conselho do Rito Antigo e Aceito para o Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário