terça-feira, outubro 07, 2014



(imagem proveniente de Google Images)
 
Nesta simples frase proferida pelo filósofo espanhol José Ortega Y Gasset (09/05/1883-18/10/1955) e que se encontra na sua obra “ A Revolta das Massas” escrita em 1930, encontro um paralelismo com a postura que o mundo profano tem em relação à Maçonaria.
O atrás designado  mundo profano, a sociedade em geral, pouco conhece ou entende dos segredos e mistérios maçônicos, podendo apenas especular sobre o que farão os maçons nas suas reuniões e sessões de loja bem como qual a sua ação na sociedade civil. E, uma vez que os profanos pouco ou nada conhecem, muitos porque nem sequer se dão ao trabalho de tentar conhecer, especulam e especulam mal!
Várias vezes foi dito neste blogue, que tanto na internet como nas livrarias e bibliotecas espalhadas por esse mundo fora, existe um rol de informações fidedignas efetuadas tanto por maçons como por autores não maçônicos credíveis, tanto pela sua cultura como pela sua  idoneidade, que atestam a conduta da Maçonaria e o que ela representa nos vários países onde está inserida.
Este espaço tal como outros, é acessado por milhares de pessoas, sejam elas iniciadas ou não, que buscam conhecimento ou mera informação, outras quiçá algo mais… Algumas inclusive, por mais que se lhes tente explicar o que é de facto a Maçonaria, para elas a sua intenção é meramente destabilizar e nada aprender com o que lhes é transmitido, demonstrando apenas os seus preconceitos contra a Ordem Maçônica em geral, repudiando qualquer explicação que lhes seja oferecida. Há de tudo como na vida, “para todos os gostos e tamanhos”…
Todavia, tal como se pode depreender do que Ortega Y Gasset afirma,  o facto de não se ter conhecimento de algo, não significa necessariamente que tal não exista. E se é usual os maçons  dizerem que a Maçonaria não é uma instituição secreta, é porque efetivamente todo o mundo a conhece e dela fala! Aquilo que é secreto nunca é abordado em lado algum. Quanto muito, esta Augusta Ordem terá uma postura discreta no que faz ou deixa fazer…
Mas por muito confuso que aparente a afirmação que fiz anteriormente, não cabe à Maçonaria fazer algo, caberá sim aos maçons o fazer!
Seja através de uma visão mais ortodoxa , seja por uma vivência mais liberal, o maçom tem o dever de intervir na sociedade, seja como alguém que vislumbrou  a luz ou seja como uma individualidade apenas. Uns (maçons) preferem fornecer as “ferramentas sociais e filosóficas” para uma evolução e aprimoramento da Sociedade, outros preferem serem eles mesmos, os “agentes de transformação” em prol do progresso da generalidade dos povos.
Não me compete a mim e nem me proponho a tal, decidir quem está mais certo ou menos correto na sua postura maçônica de intervenção social, acredito que há espaço para todos e isso para mim é de menor importância, porque acredito que um maçom nunca deverá baixar os braços,  pois se ele é uma centelha de luz, tem a obrigação de iluminar os demais…
E é fundamentalmente por este tipo de atitude que se encontra no ADN de um maçom que a Maçonaria não é aceite nem tolerada nos locais onde reine a anarquia ou a ditadura, seja esta ao nível governamental (países ditatoriais ou absolutistas), seja ao nível laboral (locais onde o “quero, posso e mando” são a lei patronal) ou até mesmo em lugares onde a religião assim o assuma e determine. Logo, a consequência mais direta de tais factos é a Maçonaria ser anatemizada socialmente e os seus membros,  alvos de constante estigmatização apenas por serem maçons.
Por isso deixo a seguinte reflexão:
Será que quem constantemente ataca  a Maçonaria, quem constantemente especula negativamente sobre a Ordem Maçônica em sua generalidade, saberá o que se passará no interior das lojas maçônicas?
Parece-me que não! E tal como Ortega Y Gasset bem  dizia e que eu  transponho para a Maçonaria, é isso o que precisamente se passa!

Nenhum comentário:

Postar um comentário