sexta-feira, dezembro 21, 2012


Guna-traya: Os Três Modos da Natureza Material


Todas as almas encarnadas estão sob o controle dos três modos da natureza material.
O Senhor Krsna explica o que são esses modos, como agem sobre nós e como podemos superá-los.

Sri Krsna Bhagavan
excertos da obra Bhagavad-gita

A natureza material consiste em três modos — bondade, paixão e ignorância. Ao entrar em contato com a natureza, a entidade viva eterna é condicionada por esses modos.

O modo da bondade, sendo mais puro do que os outros, ilumina, livrando a pessoa de todas as reações pecaminosas. Aqueles que estão situados neste modo condicionam-se a uma sensação de felicidade e conhecimento. O modo da paixão nasce de desejos e anseios ilimitados, e, por causa disso, a entidade viva encarnada está presa às ações fruitivas materiais. Fique sabendo que, no modo da escuridão, nascido da ignorância, todas as entidades vivas encarnadas ficam iludidas. Os resultados deste modo são a loucura, a indolência e o sono, que atam a alma condicionada.

O modo da bondade condiciona o homem à felicidade; o da paixão o condiciona à ação fruitiva; e o da ignorância, cobrindo seu conhecimento, o ata à loucura. Às vezes, o modo da bondade se torna preeminente, derrotando os modos da paixão e da ignorância. Às vezes, o modo da paixão sobrepuja a bondade e a ignorância. Outras vezes, a ignorância derrota a bondade e a paixão. Dessa maneira, há sempre competição pela supremacia.
As manifestações do modo da bondade podem ser experimentadas quando todos os portões do corpo são iluminados pelo conhecimento. Quando há um aumento do modo da paixão, desenvolvem-se sintomas de grande apego, atividade fruitiva, esforço intenso e desejo e anseio incontroláveis. Quando predomina o modo da ignorância, manifestam-se escuridão, inércia, loucura e ilusão.

Quando alguém morre no modo da bondade, ele atinge os planetas superiores puros, onde residem os grandes sábios. Quando alguém morre no modo da paixão, nasce entre os que se ocupam em atividades fruitivas. Quando morre no modo da ignorância, nasce no reino animal.


Foto: Os destinos possíveis após a morte segundo
os três modos da natureza material.

O resultado da ação piedosa é puro e se diz que está no modo da bondade. Mas a ação feita no modo da paixão resulta em miséria, e a ação executada no modo da ignorância resulta em tolice.

Do modo da bondade, desenvolve-se o verdadeiro conhecimento; do modo da paixão, desenvolve-se a cobiça; e, do modo da ignorância, desenvolvem-se a tolice, a loucura e a ilusão.

Aqueles situados no modo da bondade gradualmente elevam-se aos planetas superiores, aqueles no modo da paixão vivem nos planetas terrestres, e aqueles no abominável modo da ignorância descem para os mundos infernais.

Quando alguém vê corretamente que, em todas as atividades, o único agente que está em ação são estes modos da natureza, e quando conhece o Senhor Supremo, que é transcendental a todos esses modos, ele então alcança Minha natureza espiritual. Quando é capaz de transcender estes três modos associados com o corpo material, o ser encarnado pode liberar-se do nascimento, da morte, da velhice e dos sofrimentos que são inerentes a eles, e mesmo nesta vida pode gozar o néctar.

Conforme os modos da natureza adquiridos pela alma encarnada, sua fé pode ser de três espécies — bondade, paixão ou ignorância. Agora ouça enquanto falo sobre isso. Segundo sua existência sob os vários modos da natureza, o homem desenvolve determinada espécie de fé. Segundo os modos com os quais conviveu, o ser vivo tem uma fé específica.

Os homens no modo da bondade adoram os semideuses, aqueles que estão no modo da paixão adoram os demônios, e aqueles que vivem no modo da ignorância adoram fantasmas e espíritos.

Descrição: TA1443

Foto: Objeto de culto segundo os três modos da natureza material.

Aqueles que se submetem a rigorosas austeridades e penitências não recomendadas nas escrituras, executando-as por orgulho e egoísmo, que são impelidos por luxúria e apego, que são tolos e que torturam os elementos materiais do corpo bem como a Superalma que mora dentro deste devem ser conhecidos como demônios.
Mesmo o alimento preferido de cada um é de três espécies, conforme os três modos da natureza material. O mesmo se aplica aos sacrifícios, às austeridades e à caridade. Agora ouça enquanto falo sobre as distinções que existem entre eles.

Os alimentos apreciados por aqueles que estão no modo da bondade aumentam a duração da vida, purificam a existência e dão força, saúde, felicidade e satisfação. Estes alimentos são suculentos, gordurosos, saudáveis e agradáveis ao coração. Alimentos que são muito amargos, muito acres, salgados, quentes, picantes, secos e ardentes são apreciados por quem está no modo da paixão. Tais alimentos causam sofrimento, miséria e doença. Alimento preparado mais de três horas antes de ser ingerido, alimento insípido, decomposto e putrefato e alimento que consiste em refugos e substâncias intocáveis atrai aqueles que estão no modo da escuridão.


Foto: As três categorias de alimentos
de acordo com os três modos da natureza material.

Dos sacrifícios, é da natureza da bondade o sacrifício que por uma mera questão de dever é executado conforme as direções das escrituras por aqueles que não desejam nenhuma recompensa. Mas saiba que o sacrifício executado em troca de algum benefício material, ou por orgulho, está no modo da paixão. Considera-se que todo sacrifício executado sem que se levem em consideração a direção das escrituras, sem que se distribua prasada (alimento espiritual), sem que se cantem os hinos védicos, sem que se remunerem os sacerdotes e sem que se tenha fé está no modo da ignorância.

A austeridade do corpo consiste em adorar o Senhor Supremo, os brahmanas, o mestre espiritual e os superiores, tais como o pai e a mãe, e em limpeza, simplicidade, celibato e não-violência. A austeridade da fala consiste em proferir palavras verazes, agradáveis, benéficas e que não perturbam os outros, e também em recitar regularmente a literatura védica. E satisfação, simplicidade, gravidade, autocontrole e purificação da existência são as austeridades da mente. Estas três espécies de austeridade, executadas com fé transcendental, por quem não espera benefícios materiais, mas que atua apenas por amor ao Supremo, chamam-se austeridades em bondade. Afirma-se que a penitência executada por orgulho e com o intuito de ganhar respeito, honra e adoração está no modo da paixão. E não é estável nem permanente. Penitência executada por tolice, com autotortura, ou visando a destruir ou ferir outros, se diz que está no modo da ignorância.

A caridade dada por dever, sem expectativa de recompensa, no local e hora apropriados e dada a alguém digno está no modo da bondade. Mas a caridade executada com expectativa de alguma recompensa, ou com desejo de resultados fruitivos, ou com má vontade, diz-se que é caridade no modo da paixão. E a caridade executada em lugar impuro, em hora imprópria e feita a pessoas indignas ou sem a devida atenção e respeito diz-se que está no modo da ignorância.
Conforme os três diferentes modos da natureza material, há três classes de conhecimento, ação e executor da ação. Agora ouça enquanto falo sobre eles.
Você deve compreender que está no modo da bondade aquele conhecimento com o qual se percebe uma só natureza espiritual indivisa em todas as entidades vivas, embora elas se apresentem sob inúmeras formas. O conhecimento com o qual se vê que em cada corpo diferente há um tipo diferente de entidade viva, você deve entender que está no modo da paixão. E o conhecimento pelo qual alguém se apega a um tipo específico de trabalho como se fosse tudo o que existe, sem conhecimento da verdade, e que é muito escasso, diz-se que está no modo da ignorância.

A ação que é regulada, e que se executa sem apego, sem amor nem repulsa, e sem desejo de resultados fruitivos, diz-se que está no modo da bondade. Mas a ação executada com grande esforço por alguém que busca satisfazer seus desejos, e efetuada devido a uma sensação de falso ego, chama-se ação no modo da paixão. A ação executada em ilusão, que não leva em conta os preceitos das escrituras, e em que não há preocupação com cativeiro futuro ou com violência ou sofrimento causados aos outros diz-se que está no modo da ignorância.

Aquele que executa seu dever sem entrar em contato com os modos da natureza material, sem falso ego, com grande determinação e entusiasmo, e sem se deixar levar pelo sucesso ou pelo fracasso diz-se que é um trabalhador no modo da bondade. O trabalhador que se apega ao trabalho e aos frutos do trabalho, desejando gozar esses frutos, e que é cobiçoso, sempre invejoso, impuro e que se deixa afetar pela alegria e tristeza diz-se que está no modo da paixão. O trabalhador que sempre está ocupado em trabalho contra os preceitos das escrituras, que é materialista, obstinado, trapaceiro e perito em insultar os outros, e que é preguiçoso, sempre desanimado e irresoluto diz-se que é um trabalhador no modo da ignorância.

Agora, por favor, ouça enquanto lhe falo com detalhes sobre as diferentes espécies de entendimento e de determinação, segundo os três modos da natureza material. Esta compreensão pela qual se sabe o que deve ser feito e o que não deve ser feito, o que se deve temer e o que não se deve temer, o que prende e o que liberta, está no modo da bondade. A compreensão que não distingue entre religião e irreligião, entre a ação que deve ser executada e ação que não deve ser executada, está no modo da paixão. A compreensão que considera a irreligião como religião e a religião como irreligião, que está sob o encanto da ilusão e da escuridão, e se esforça sempre na direção errada está no modo da ignorância.

A determinação que não cede, que através da prática de yoga ganha muita firmeza, e controla assim as atividades da mente, da vida e dos sentidos, é determinação no modo da bondade. Mas a determinação pela qual o homem se atém aos resultados fruitivos da religião, do desenvolvimento econômico e do gozo dos sentidos é da natureza da paixão. E a determinação que não pode transpor o sonho, o temor, a lamentação, a melancolia e a ilusão — tal determinação ininteligente está no modo da escuridão.

Agora, por favor, ouça enquanto falo sobre as três espécies de felicidade em que a alma condicionada desfruta.

Aquilo que no começo pode parecer veneno, mas que no final é tal qual néctar e que causa o despertar da autorrealização diz-se que é felicidade no modo da bondade. A felicidade que deriva do contato dos sentidos com seus objetos e que parece néctar no começo porém no final é um veneno diz-se que é da natureza da paixão. E se diz que a felicidade que é cega para a autorrealização, que é ilusão do começo ao fim, e que surge do sono, da preguiça e da ilusão é da natureza da ignorância.

Aqui ou entre os semideuses nos sistemas planetários superiores, não existe ser algum que esteja livre destes três modos nascidos da natureza material.

daivī hy eṣā guṇa-mayī
mama māyā duratyayā
mām eva ye prapadyante
māyām etāṁ taranti te

Esta Minha energia divina, que consiste nos três modos da natureza material, é difícil de ser suplantada. Mas aqueles que se renderam a Mim podem facilmente transpô-la.

Nenhum comentário:

Postar um comentário